ASTIR - Associação dos Policiais Militares e Bombeiros Militares do Estado de Rondônia Urgência emergência – Médico da Astir esclarece 2 patologias
Home / Notícias / Urgência emergência – Médico da Astir esclarece 2 patologias

Urgência emergência – Médico da Astir esclarece 2 patologias

O médico, Danilo Nunes, plantonista no Serviço de Pronto Atendimento (SPA) esclarece 2 patologias, as quais são consideradas críticas e merecem atenção redobrada da equipe de plantão.

Médico Danilo Nunes

Ele explica que os pacientes ao darem entrada no SPA passam por consulta clinica, aferição da pressão arterial, avaliação da temperatura (se há febre), entre outros protocolos.

Ainda de acordo com o médico algumas patologias requerem ação rápida, de uma vez que o tratamento medicamentoso tem que ser iniciado rapidamente e durante o procedimento a enfermagem realiza seu trabalho de suporte e mais ainda informando ao médico, os resultados obtidos na aferição da pressão arterial e temperatura.

Caso sejam necessários outros aportes como respirador automático ou mecânico, eletrocardiograma, intubação endotraqueal, entre outros a equipe de enfermagem está treinada e capacitada para agir de maneira drástica, sempre visando à recuperação rápida do paciente, de acordo com as orientações médicas.

SURTO PSICÓTICO

Alterações repentinas de comportamento, alucinações, delírios e reações desproporcionais à realidade são os principais sintomas de um surto psicótico — um episódio de dissociação psíquica no qual a pessoa perde a noção da realidade e se torna incapaz de pensar racionalmente.

Durante um surto psicótico ocorre um aumento de atividade no sistema límbico (área do cérebro responsável pelas emoções e pelo prazer), fazendo com que as percepções fiquem alteradas e os pensamentos se desorganizem.

O que pode causar um surto psicótico

Um surto psicótico pode ser um sintoma de uma doença maior ou apenas um episódio isolado, conhecido como episódio psicótico breve. As doenças psiquiátricas que podem levar a quadros de surto psicótico são: Esquizofrenia, Transtorno Bipolar, Mal de Alzheimer, Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC) e distúrbios de personalidade.

Dentre as causas médicas existem alguns quadros que podem induzir o surto psicótico. São eles: presença de tumores cerebrais, esclerose múltipla, epilepsia, doença de Alzheimer, lúpus, insuficiência renal, insuficiência hepática, AIDS e sífilis. O uso patológico de álcool e drogas alucinógenas também pode desencadear um surto psicótico.

Em todos os casos, alterações no cérebro fazem com que os neurônios da região límbica fiquem hiperativos, desorganizando os pensamentos e alterando a percepção das coisas.

Principais sintomas de um surto psicótico

– Delírios e alucinações (idéias de perseguição, escuta de vozes, visões irreais);
– Perda de contato com a realidade;
– Confusão mental, pensamentos desorganizados;
– Falar de forma desorganizada, rápido demais ou com frases incoerentes;
– Comportamento agitado, incoerente, agressivo ou catatônico;
– Oscilação de humor entre depressão e euforia;
– Agressividade;
– Insônia;
– Perda de apetite e conseqüente perda de peso.

O que fazer com uma pessoa em surto psicótico

O ideal é que a pessoa que apresenta um surto psicótico seja encaminhada imediatamente a um hospital para receber medicação e cuidados adequados. Depois de o surto ser controlado, é importante que o psiquiatra faça um diagnóstico do paciente e determine se a psicose foi um episódio breve ou se está associada a outra doença.

Durante o surto tenha sempre uma postura neutra e jamais confronte à pessoa. Não questione os delírios e alucinações, preferindo ser compreensível. Enquanto espera auxílio médico, afaste a pessoa de objetos perigosos como facas e armas. Caso a pessoa já esteja em tratamento, faça contato com o médico responsável por ela e obtenha instruções imediatas.

Em casos graves, internação psiquiátrica é necessária para investigação e realização de intervenções apropriadas. Casos mais leves podem ser atendidos em ambulatórios e não necessitam internação. É importante que a pessoa receba ajuda o quanto antes, pois podem tomar decisões precipitadas e equivocadas durante o surto, inclusive resultando em suicídio.

ENXAQUECA

A enxaqueca é uma doença neurológica, genética e crônica cuja principal característica é a dor de cabeça latejante, em um ou nos dois lados da cabeça.

Outros sintomas muito comuns da enxaqueca:

– sensibilidade à luz, a cheiros, ao barulho;
– náuseas, vômitos;
– sintomas visuais, como pontos luminosos, escuros, linhas em ziguezague que antecedem ou acompanham as crises de dor;
– formigamento e dormências no corpo (as auras da enxaqueca);
– tonturas, sensibilidade a movimentos ou passar mal em viagens de carro, ônibus, barco.

Atualmente já se sabe que a enxaqueca é uma doença de todo o cérebro, onde a tendência genética e o ambiente (gatilhos) interagem o tempo todo.

Dez principais causas de enxaqueca:

– preocupações excessivas, ansiedade, tensão, estresse;
– ficar sem comer. O jejum é o aspecto alimentar mais importante para desencadear dores de cabeça. Longo tempo sem comer pode gerar uma queda na taxa de açúcar do sangue e provocar a produção de substâncias que causam dor. O ideal é comer algo a cada 3 ou 4 horas, e também não exagerar na comida quando passar muito tempo em jejum;
– dormir mal. Bom sono é uma condição fundamental para o bem estar de uma maneira geral, e também para o equilíbrio das enxaquecas e outras dores de cabeça. Dormir pouco, dormir muito, demorar a pegar no sono, acordar no meio da noite, roncar e ter sonolência de dia, ir dormir e acordar muito tarde são todos possíveis desencadeantes de dor de cabeça;
– ciclo hormonal. A temida TPM (tensão pré-menstrual) carrega consigo crises de cefaleia. As enxaquecas na mulher tendem a ser mais concentradas no período menstrual ou pré-menstrual. Irregularidades menstruais, endometriose, ovários policísticos e reposição hormonal, podem ser fatores que agravam as enxaquecas;
– irritação e alterações do humor. A irritabilidade aparece normalmente junto com uma crise de enxaqueca, mas também pode ser um motivo gerador de novas dores. Altos e baixos no humor, pavio curto, passar muita raiva (guardando ou explodindo, tanto faz), impaciência, são combinações para desencadear uma enxaqueca. Tudo o que for feito no sentido de relaxar, acalmar e treinar a paciência é útil;
– excesso de cafeína. Tomar muito café, bebidas cafeinadas (coca-cola, chás pretos), chocolates, e até mesmo analgésicos que contenham cafeína são provocadores de enxaqueca;
– falta de exercícios físicos. Realizar exercícios faz com que o organismo produza endorfinas, regulariza a produção de neurotransmissores como a serotonina, melatonina, tornando o organismo mais saudável e mais resistente à dor;
– uso excessivo de analgésicos. Analgésicos não tratam a enxaqueca, só aliviam a intensidade e a duração das crises. O uso de analgésicos pode vir a tornar crônica, piorar a enxaqueca, tornando-a mais resistente e mais freqüente;
– alimentos como chocolate, frutas cítricas, alimentos muito gelados (sorvetes), nozes, alimentos gordurosos, condimentados, ricos em glutamato monossódico (presente em salgadinhos, molhos, adoçantes), podem agravar as enxaquecas;
– causas genéticas. Deve-se reconhecer rapidamente a enxaqueca na infância, adolescência, início da vida adulta em filhos de pessoas que sofrem com a enxaqueca, para que ela possa ser tratada adequadamente, preventivamente, evitando que as crises apareçam e que a enxaqueca se desenvolva até um estágio crônico.

IMPORTANTE: Somente médicos e cirurgiões-dentistas devidamente habilitados podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo.

 O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota fala da importância do paciente em não se automedicar, de acordo com as orientações médicas e o Ministério da Saúde. “Os protocolos medicamentosos só poderão ser realizados pelo profissional médico, pois em alguns casos a patologia tende a complicar o que pode levar o paciente a piora geral do quadro ou até mesmo colocar sua saúde, em geral, a todo tipo de risco, finalizou Alan.

Fontes: Médico Danilo Nunes/ SGT PM Alan Mota/ http://www.sbie.com.br/conheca-os-principais-sintomas-de-um-surto-psicotico/ /http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2207-enxaqueca

Texto: Jornalista Wilson Souza/ http://www.sbie.com.br/conheca-os-principais-sintomas-de-um-surto-psicotico/ /http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2207-enxaqueca

Foto: Jornalista Wilson Souza