Psicologia – Especialista da Astir descreve sua área de atuação

A psicóloga clinica geral, Erlani Siqueira da Astir diz Psicóloga Clínica, especializada em Saúde da Família, explica sua área de atuação.

Erlani Siqueira – Psicóloga clinica

Entre os sintomas psicológicos que trata a psicologia clínica, encontram-se os transtornos somáticos (que podem aparecer de forma aguda ou estarem presentes de modo constante), os transtornos psíquicos (como a sensação de receio/medo ou as preocupações sem fundamento) e os transtornos comportamentais (a preocupação motora, a irritabilidade e as perturbações do sono, entre outros), no relacionamento em geral, dificuldades de aprendizado das crianças, entre outros.

A psicologia infantil trata de estudar o comportamento da criança, desde o seu nascimento até à sua adolescência. Desta forma, este ramo da psicologia centra-se no desenvolvimento físico, motor, cognitivo, perceptivo, afetivo e social. São nesta linha de raciocínio que os psicólogos infantis levam a cabo os métodos para identificar e cuidar das questões ligadas à saúde mental das crianças.

A psicologia infantil atende a duas variáveis que podem incidir no desenvolvimento da criança: o fator ambiental, como a influência dos seus pais ou dos seus amigos, e o fator biológico, fator ambiental e social.

Erlani destaca que a psicoterapia infantil é ofertada na ASTIR geralmente com crianças a partir dos 06(seis) anos de idade. De acordo com sua atuação clínica pontua que atualmente os Transtornos Mentais mais comuns na infância são: os Transtornos de Ansiedade; Transtornos de Déficit de Atenção-Hiperatividade (TDAH); Transtorno do Espectro Autista (TEA); além dos Transtornos Específicos do Aprendizado e do Comportamento.  A Psicóloga pontua que o atendimento de Orientação à Família, busca proporcionar uma reflexão conjunta dos responsáveis pela criança, no intuito de obter um resultado satisfatório diante das queixas apresentadas nas sessões.

Já o atendimento ao Casal é uma intervenção onde os cônjuges participam das sessões com foco nas dificuldades específicas que eles estão vivenciando, tendo como objetivo auxiliar o casal a tomar decisões amadurecidas através de reflexões acerca da dinâmica familiar.

A psicologia ajuda os parceiros a identificarem os pontos de conflito dentro da relação e a determinar quais as mudanças desejáveis, sejam no modo de se relacionar, sejam mudanças individuais. Nesse tipo de terapia, há componentes de mediação, componentes educacionais e de terapia individual envolvidos, dependendo das dificuldades específicas enfrentadas. O casal torna-se ciente de pontos de vista e modos de interagir e se comunicar destrutivos para tentar modificá-los.

Conflitos no casamento:

casamento implica uma relação interpessoal de intimidade e coabitação, embora possa ser visto por muitos como um contrato. Quando ele não caminha bem e difere dos contos de fadas que ouvimos desde pequenos a respeito da vida a dois, muitos casais fazem a opção de não olharem para as divergências. Desse modo, vivem um “faz de conta” e levam adiante uma história infeliz. Há também os casais que resolvem se separar sem sequer ter recorrido à ajuda de profissionais especializados nessa área.

A importância de ouvir a profissional:

O trabalho terapêutico irá possibilitar a recontextualização das situações vivenciadas em casal, revendo crenças que cada um tem em relação ao casamento. Como estamos envolvidos na relação disfuncional (com conflitos), não temos percepção do quanto à relação deve ser dupla em vez de uma via única, ou seja, ela depende da ação conjunta do casal para que o casamento se ajuste e o casal possa reconstruir a vida.

Pelo fato de estar tão centrado em acusar o outro, as pessoas envolvidas também acabam se esquecendo de olhar para as próprias atitudes. Dessa forma, distanciam-se da responsabilidade de realizar mudanças que possam trazer uma harmonia entre o casal.

Ao poder ouvir o outro dentro de um processo terapêutico começa a refletir e buscar soluções conjuntas, envolvendo diálogo, afeto, tolerância e ações efetivas manutenção e qualidade do casamento ou mesmo para decisão mais consciente do casal pela separação. Essas ações dependerão das duas partes envolvidas e não somente de um dos parceiros.

Os casais se enganam quando param com os cuidados do cotidiano. No casamento, os dois precisam de atenção constantemente e os pequenos carinhos, agrados, mimos, podem ser diferenciais para uma relação duradoura, disse a psicóloga.

Finalizando Erlani recomenda aos casais, que possam estar passando por um momento delicado de convivência a um profissional de psicologia

A Direção da ASTIR profere que a associação dispõe de profissionais de saúde altamente capacitadas na área de Psicologia, com atendimento no ambulatório de segundas às sextas-feiras, manhã e tarde. Marque sua consulta pessoalmente ou por telefone, neste caso ligue para 3223 3686 ou 9 9285-6131 (operadora Claro), completou.

Texto: Jornalista Wilson Souza e sites da fonte
Foto: Jornalista Wilson Souza
Formatação e publicação: Stanley Monteiro

Fontes: Erlani Siqueira psicóloga clinica geral/ https://conceito.de/psicologia-clinica / https://conceito.de/psicologia-infantil

http://www.psicoterapiacognitiva.com.br/casal.html / http://www.minhavida.com.br/familia/materias/16047-terapia-de-casal-pode-salvar-um-casamento-em-conflito

Psicologia – Psicóloga da Astir orienta sobre os benefícios da Psicologia

Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, diz psicóloga, Patrícia Honorato.

Psicologia é a ciência que busca entender o comportamento humano e o funcionamento mental. É o estudo do ser humano através de análise de suas emoções, idéias e sensações. Previne, diagnostica e trata do sofrimento emocional, doenças mentais e distúrbios de personalidade.

Observa e analisa as atitudes, sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos que não são adequados, afirma a psicóloga Patrícia Honorato.

Ainda de acordo com Patrícia, a saúde mental dos pacientes é essencial para o equilíbrio de bem-estar geral.

Sintomas como imagem negativa do próprio corpo, se sentido mal sem saber por que, alteração do humor (depressão e euforia numa linha sinuosa), dificuldades de relacionamento social, tristeza repentina, falta de motivação para o trabalho ou outras atividades, alteração do sono como insônia, acordando várias vezes durante o mesmo, entre outros.

Psiquismo

A palavra PSIQUISMO refere-se ao estudo dos fenômenos ou dos processos mentais conscientes ou inconscientes de um indivíduo ou de um grupo de indivíduos.
O vocábulo PSICO tem origem grega “psyché”, que significa alma, espírito, intelecto.
Aristóteles usou a palavra “psique” para indicar o princípio vital específico de cada reino, chamando de Phitos ao reino vegetal, Zoos ao reino animal e Antropos ao homem. Cada um tem suas propriedades específicas e inconfundíveis.

 “É de extrema importância que os familiares, amigos ou colegas de trabalho ao perceberem alteração comportamental da pessoa, devem estimulá-lo a procurar o médico (clínico geral, ginecologista, psiquiatra, clínico de plantão no Serviço de Pronto Atendimento (S.P.A) que será encaminhado para o atendimento psicológico”, disse Patrícia.

A Astir tem a disposição dos associados, serviços de profissionais psicólogas especializadas (Psic. Patrícia Honorato e Psic. Erlani Siqueira) como atendimento individual adulto, adolescente, infantil, familiar, casal, entre outros.

Estes serviços especializados estão disponíveis de segunda a sexta-feira, das 07h30min às 12h30min e das 14 às 18 horas, sendo que nos finais de semana e feriados fica uma profissional de sobre aviso apenas para urgências e emergências e são acionadas pela enfermeira chefe do plantão.

A Direção da ASTIR, comenta que havendo necessidade dos associados ou dependentes se consultarem com as profissionais de psicologia, devem se consultar com médico clinico geral, psiquiatra e outros que farão o encaminhamento para a Psicologia. Após a consulta médica agende na recepção do ambulatório seu atendimento junto a essas profissionais, as quais estão habilitadas para atender qualquer associado, sendo criança, infantil e adulto.

“Essa administração preocupada com a saúde mental mantém em seu quadro, psicólogas, médicos psiquiatras entre outros, para melhor servir os pacientes, sempre buscando progressos constantes para melhor atender os associados, esta tem sido nossa missão” Comentou a Direção da ASTIR.

Fontes: Psicóloga Dra. Patrícia Honorato/ Arquivo
Texto: Jornalista Wilson Souza
Imagem – Meramente ilustrativa (Google)
Formatação e publicação – Stanley Monteiro

 

 

 

Psicologia – Psicóloga da Astir comenta algumas patologias apresentadas em seu consultório

A psicóloga clinica geral, Dagmara Wyrria comenta algumas patologias apresentadas por pacientes no seu consultório na Astir.

Ela explica que associados com histórias de depressão, transtorno de ansiedade e síndrome do pânico são cada vez mais constantes em busca de tratamento com a especialista em Psicologia.

Dagmara descreve as patologias:

Depressão: A depressão é um distúrbio afetivo que acompanha a humanidade ao longo de sua história. No sentido patológico, há presença de tristeza, pessimismo, baixa auto-estima, que aparecem com freqüência e podem combinar-se entre si. É imprescindível o acompanhamento médico tanto para o diagnóstico quanto para o tratamento adequado.

Sintomas:

  • humor depressivo ou irritabilidade, ansiedade e angústia;
    • desânimo, cansaço fácil, necessidade de maior esforço para fazer as coisas;
    • diminuição ou incapacidade de sentir alegria e prazer em atividades anteriormente consideradas agradáveis;
    • desinteresse falta de motivação e apatia;
    • falta de vontade e indecisão;
    • sentimentos de medo, insegurança, desesperança, desespero, desamparo e vazio;
    • pessimismo, idéias freqüentes e desproporcionais de culpa, baixa auto-estima, sensação de falta de sentido na vida, inutilidade, ruína, fracasso, doença ou morte. A pessoa pode desejar morrer, planejar uma forma de morrer ou tentar suicídio;
    • interpretação distorcida e negativa da realidade: tudo é visto sob a ótica depressiva, um tom “cinzento” para si, os outros e seu mundo;
    • dificuldade de concentração, raciocínio mais lento e esquecimento;
    • diminuição do desempenho sexual (pode até manter atividade sexual, mas sem a conotação prazerosa habitual) e da libido;
    • perda ou aumento do apetite e do peso;
    • insônia (dificuldade de conciliar o sono, múltiplos despertares ou sensação de sono muito superficial), despertar matinal precoce (geralmente duas horas antes do horário habitual) ou, menos freqüentemente, aumento do sono (dorme demais e mesmo assim fica com sono a maior parte do tempo);
    • dores e outros sintomas físicos não justificados por problemas médicos, como dores de barriga, má digestão, azia, diarréia, constipação, flatulência, tensão na nuca e nos ombros, dor de cabeça ou no corpo, sensação de corpo pesado ou de pressão no peito, entre outros

Causas:

A depressão é uma doença. Há uma série de evidências que mostram alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores (serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina), substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células. Outros processos que ocorrem dentro das células nervosas também estão envolvidos.

Transtorno de ansiedade: O termo tem várias definições nos dicionários não técnicos: aflição, angústia, perturbação do espírito causada pela incerteza, relação com qualquer contexto de perigo, etc.

Levando-se em conta o aspecto técnico, devemos entender ansiedade como um fenômeno que ora nos beneficia ora nos prejudica, dependendo das circunstâncias ou intensidade, podendo tornar-se patológica, isto é, prejudicial ao nosso funcionamento psíquico (mental) e somático (corporal).

A ansiedade estimula o indivíduo a entrar em ação, porém, em excesso, faz exatamente o contrário, impedindo reações.

Os transtornos de ansiedade são doenças relacionadas ao funcionamento do corpo e às experiências de vida.

Pode-se sentir ansioso a maior parte do tempo sem nenhuma razão aparente; pode-se ter ansiedade às vezes, mas tão intensamente que a pessoa se sentirá imobilizada. A sensação de ansiedade pode ser tão desconfortável que, para evitá-la, as pessoas deixam de fazer coisas simples (como usar o elevador) por causa do desconforto que sentem.

Os transtornos da ansiedade têm sintomas muito mais intensos do que aquela ansiedade normal do dia a dia. Eles aparecem como:

– preocupações, tensões ou medos exagerados (a pessoa não consegue relaxar);
– sensação contínua de que um desastre ou algo muito ruim vai acontecer;
– preocupações exageradas com saúde, dinheiro, família ou trabalho;
– medo extremo de algum objeto ou situação em particular;
– medo exagerado de ser humilhado publicamente;
– falta de controle sobre os pensamentos, imagens ou atitudes, que se repetem independentemente da vontade;
– pavor depois de uma situação muito difícil.

Síndrome do Pânico:síndrome do pânico é um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem crises inesperadas de desespero e medo intenso de que algo ruim aconteça, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo iminente.

Quem sofre do Transtorno de Pânico sofre crises de medo agudo de modo recorrente e inesperado. Além disso, as crises são seguidas de preocupação persistente com a possibilidade de ter novos ataques e com as conseqüências desses ataques, seja dificultando a rotina do dia a dia, seja por medo de perder o controle, enlouquecer ou ter um ataque no coração.

Causas

As causas exatas da síndrome do pânico são desconhecidas, embora a Ciência acredite que um conjunto de fatores possa desencadear o desenvolvimento deste transtorno, como:

  • Genética
  • Estresse
  • Temperamento forte e suscetível ao estresse
  • Mudança na forma como o cérebro funciona e reage a determinadas situações.

Alguns estudos indicam que a resposta natural do corpo a situações de perigo esteja diretamente envolvida nas crises de pânico. Apesar disso, ainda não está claro por que esse ataque acontece em situações nas quais não há qualquer evidência de perigo iminente.

Fatores de risco

A síndrome do pânico costuma afetar mais mulheres do que homens e pode ser desencadeada por alguns fatores considerados de risco, como:

  • Situações de estresse extremo
  • Morte ou adoecimento de uma pessoa próxima
  • Mudanças radicais ocorridas na vida
  • Histórico de abuso sexual durante a infância
  • Ter passado por alguma experiência traumática, como um acidente.

Algumas pesquisas indicam que se um gêmeo idêntico tem síndrome do pânico, o outro gêmeo também desenvolverá o problema em 40% das vezes. Pode acontecer, no entanto, de a doença se manifestar sem que haja histórico familiar dela.

Sintomas de Síndrome do pânico

Ataques de pânico característicos da síndrome geralmente acontecem de repente e sem aviso prévio, em qualquer período do dia e também em qualquer situação, como enquanto a pessoa está dirigindo, fazendo compras no shopping, em meio a uma reunião de trabalho ou até mesmo dormindo.

As crises de pânico geralmente manifestam os seguintes sintomas:

  • Sensação de perigo iminente
  • Medo de perder o controle
  • Medo da morte ou de uma tragédia iminente
  • Sentimentos de indiferença
  • Sensação de estar fora da realidade
  • Dormência e formigamento nas mãos, nos pés ou no rosto
  • Palpitações, ritmo cardíaco acelerado e taquicardia
  • Sudorese
  • Tremores
  • Dificuldade para respirar, falta de ar e sufocamento
  • Hiperventilação
  • Calafrios
  • Ondas de calor
  • Náusea
  • Dores abdominais
  • Dores no peito e desconforto
  • Dor de cabeça
  • Tontura
  • Desmaio
  • Sensação de estar com a garganta fechando
  • Dificuldade para engolir

Uma complicação freqüente é o medo do medo, ou seja, o medo ter outro ataque de pânico. Esse medo pode ser tão grande que a pessoa, muitas vezes, evitará ao máximo situações em que essas crises poderão ocorrer novamente.

Os ataques de pânico podem alterar o comportamento em casa, na escola ou no trabalho. As pessoas portadoras da síndrome muitas vezes se preocupam com os efeitos de seus ataques de pânico e possa, até mesmo, despertar problemas mais graves, como alcoolismo, depressão e abuso de drogas.

Não há como prever as crises de pânico. Pelo menos nos estágios iniciais do transtorno, parece não haver nada específico capaz de desencadear o ataque. Mas há indícios de que lembrar-se de ataques de pânico anteriores possam contribuir e levar a uma nova crise.

O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota informa os associados que a Psicóloga Dagmara atende no ambulatório da Astir, adultos e adolescentes, as segundas, quartas e quintas, no período da tarde e às terças-feiras no período da manhã. Ligue 3223 3686 ou 9 9285-6131, na recepção do ambulatório e marque sua consulta, finalizou Alan.

Fontes: Dagmara Myrria/  SGT PM Alan Mota/ http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/76depressao.html/http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/224_ansiedade.html/https://www.minhavida.com.br/saude/temas/sindrome-do-panico

Texto: Jornalista Wilson Souza e sites da fonte ( http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/76depressao.html/http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/224_ansiedade.html/https://www.minhavida.com.br/saude/temas/sindrome-do-panico )

Formatação e publicação: Stanley Monteiro

Psicologia – Psicóloga da Astir orienta sobre transtornos

A psicóloga clinica, Patrícia Honorato orienta sobre os transtornos do pânico e ansiedade freqüentes.

Psicologia é a ciência que busca entender o comportamento humano e o funcionamento mental. É o estudo do ser humano através de análise de suas emoções, idéias e sensações. Previne, diagnostica e trata do sofrimento emocional, doenças mentais e distúrbios de personalidade.

Observa e analisa as atitudes, sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos que não são adequados, afirma a psicóloga Patrícia Honorato.

Ainda de acordo com Patrícia, a saúde mental dos pacientes é essencial para o equilíbrio de bem-estar geral.

Transtorno do pânico

O Transtorno de Pânico é um dos transtornos de ansiedade que atinge aproximadamente 3% da população, provoca grande sofrimento pessoal e impacto na vida diária dos pacientes. Uma súbita sensação de intensa apreensão, medo ou terror, em geral associado com sentimentos de desastre iminente, caracteriza um ataque de pânico.

A presença recorrente destes ataques e a preocupação sobre ataques futuros e suas conseqüências descrevem essencialmente o Transtorno de Pânico. Múltiplas técnicas psicoterápicas como a psicanálise, o existencialismo e o comportamental tem elaborado uma compreensão do Transtorno de Pânico que auxilia o terapeuta tanto na formulação do caso quanto no planejamento da intervenção terapêutica.

Resultados de tratamentos psicológicos com sucesso têm sido relatados por vários centros de pesquisa. Além de uma sistematização didática sobre o transtorno, este artigo pretende também mostrar os resultados obtidos no atendimento de um caso de um homem de 40 anos, casado, com nível médio de escolaridade, que vinha apresentando ataques freqüentes de pânico e grande restrição na vida pessoal e profissional.

A compreensão de fatores de desenvolvimento (informações errôneas sobre funcionamento corporal, preocupações com saúde, irritabilidade), precipitadores (conflitos conjugais e stress profissional) e mantenedores do transtorno (atenção vigilante e evitações das sensações) foram essenciais para uma adequada formulação do caso e tratamento.

IMPORTANTE: Somente médicos e psicólogos estão habilitados e podem diagnosticar doenças e indicar tratamentos. Receitar remédios, nesses casos, apenas o profissional médico. As informações disponíveis em nesta apresentação possuem apenas caráter educativo.

 O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota, comenta que havendo necessidade dos associados ou dependentes se consultarem com as profissionais de psicologia, devem se consultar com médico clinico geral, psiquiatra e outros que farão o encaminhamento para a Psicologia. Após a consulta médica agende na recepção do ambulatório seu atendimento junto a essas profissionais, as quais estão habilitadas para atender qualquer associado, sendo criança, infantil e adulto.

Alan informa os associados que especialistas em psicologia atendem manhã e tarde no ambulatório da capital. Marque sua consulta tendo em mãos o encaminhamento médico.

“Essa administração preocupada com a saúde mental mantém em seu quadro, psicólogas, médicos psiquiatras entre outros, para melhor servir os pacientes, sempre buscando progressos constantes para melhor atender os associados, esta tem sido nossa missão”, disse Alan.

Fontes: Psicóloga Patrícia Honorato/ SGT PM Alan Mota/ http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1808-56872005000200012/ http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/470-ansiedade

Texto: Jornalista Wilson Souza/ Patrícia Honorato e sites da fonte
Imagem: Meramente ilustrativa – Google

Psicologia – Especialista da Astir descreve sua área de atuação

A psicóloga clinica geral, Erlani Siqueira da Astir diz Psicóloga Clínica especializada em Saúde da Família, explica sua área de atuação.

Erlani Siqueira – Psicóloga clinica

Entre os sintomas psicológicos que trata a psicologia clínica, encontram-se os transtornos somáticos (que podem aparecer de forma aguda ou estarem presentes de modo constante), os transtornos psíquicos (como a sensação de receio/medo ou as preocupações sem fundamento) e os transtornos comportamentais (a preocupação motora, a irritabilidade e as perturbações do sono, entre outros), no relacionamento em geral, dificuldades de aprendizado das crianças, entre outros.

A psicologia infantil trata de estudar o comportamento da criança, desde o seu nascimento até à sua adolescência. Desta forma, este ramo da psicologia centra-se no desenvolvimento físico, motor, cognitivo, perceptivo, afetivo e social. São nesta linha de raciocínio que os psicólogos infantis levam a cabo os métodos para identificar e cuidar das questões ligadas à saúde mental das crianças.

A psicologia infantil atende a duas variáveis que podem incidir no desenvolvimento da criança: o fator ambiental, como a influência dos seus pais ou dos seus amigos, e o fator biológico, fator ambiental e social.

Erlani destaca que a psicoterapia infantil é ofertada na ASTIR geralmente com crianças a partir dos 06(seis) anos de idade. De acordo com sua atuação clínica pontua que atualmente os Transtornos Mentais mais comuns na infância são: os Transtornos de Ansiedade; Transtornos de Déficit de Atenção-Hiperatividade (TDAH); Transtorno do Espectro Autista (TEA); além dos Transtornos Específicos do Aprendizado e do Comportamento.  A Psicóloga pontua que o atendimento de Orientação à Família, busca proporcionar uma reflexão conjunta dos responsáveis pela criança, no intuito de obter um resultado satisfatório diante das queixas apresentadas nas sessões.

Já o atendimento ao Casal é uma intervenção onde os cônjuges participam das sessões com foco nas dificuldades específicas que eles estão vivenciando, tendo como objetivo auxiliar o casal a tomar decisões amadurecidas através de reflexões acerca da dinâmica familiar.

A psicologia ajuda os parceiros a identificarem os pontos de conflito dentro da relação e a determinar quais as mudanças desejáveis, sejam no modo de se relacionar, sejam mudanças individuais. Nesse tipo de terapia, há componentes de mediação, componentes educacionais e de terapia individual envolvidos, dependendo das dificuldades específicas enfrentadas. O casal torna-se ciente de pontos de vista e modos de interagir e se comunicar destrutivos para tentar modificá-los.

Conflitos no casamento:

casamento implica uma relação interpessoal de intimidade e coabitação, embora possa ser visto por muitos como um contrato. Quando ele não caminha bem e difere dos contos de fadas que ouvimos desde pequenos a respeito da vida a dois, muitos casais fazem a opção de não olharem para as divergências. Desse modo, vivem um “faz de conta” e levam adiante uma história infeliz. Há também os casais que resolvem se separar sem sequer ter recorrido à ajuda de profissionais especializados nessa área.

A importância de ouvir a profissional:

O trabalho terapêutico irá possibilitar a recontextualização das situações vivenciadas em casal, revendo crenças que cada um tem em relação ao casamento. Como estamos envolvidos na relação disfuncional (com conflitos), não temos percepção do quanto à relação deve ser dupla em vez de uma via única, ou seja, ela depende da ação conjunta do casal para que o casamento se ajuste e o casal possa reconstruir a vida.

Pelo fato de estar tão centrado em acusar o outro, as pessoas envolvidas também acabam se esquecendo de olhar para as próprias atitudes. Dessa forma, distanciam-se da responsabilidade de realizar mudanças que possam trazer uma harmonia entre o casal.

Ao poder ouvir o outro dentro de um processo terapêutico começa a refletir e buscar soluções conjuntas, envolvendo diálogo, afeto, tolerância e ações efetivas manutenção e qualidade do casamento ou mesmo para decisão mais consciente do casal pela separação. Essas ações dependerão das duas partes envolvidas e não somente de um dos parceiros.

Os casais se enganam quando param com os cuidados do cotidiano. No casamento, os dois precisam de atenção constantemente e os pequenos carinhos, agrados, mimos, podem ser diferenciais para uma relação duradoura, disse a psicóloga.

Finalizando Erlani recomenda aos casais, que possam estar passando por um momento delicado de convivência a um profissional de psicologia

CB PM Alan Mota – Diretor executivo da Astir

O diretor executivo da Astir profere que a associação dispõe de profissionais de saúde altamente capacitadas na área de Psicologia, com atendimento no ambulatório de segundas às sextas-feiras, manhã e tarde. Marque sua consulta pessoalmente ou por telefone, neste caso ligue para 3223 3686 ou 9 9285-6131 (operadora Claro), completou.

Texto: Jornalista Wilson Souza e sites da fonte
Matéria corrigida pela Psicóloga via e-mail
Fotos: Jornalista Wilson Souza
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – Website
Fontes: Dra. Erlani Siqueira psicóloga clinica geral/ CB PM Alan Mota/ https://conceito.de/psicologia-clinica / https://conceito.de/psicologia-infantil
http://www.psicoterapiacognitiva.com.br/casal.html / http://www.minhavida.com.br/familia/materias/16047-terapia-de-casal-pode-salvar-um-casamento-em-conflito

Psicologia – Psicóloga da Astir orienta sobre os benefícios da Psicologia

Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, diz psicóloga, Patrícia Honorato.

Psicologia é a ciência que busca entender o comportamento humano e o funcionamento mental. É o estudo do ser humano através de análise de suas emoções, idéias e sensações. Previne, diagnostica e trata do sofrimento emocional, doenças mentais e distúrbios de personalidade.

Observa e analisa as atitudes, sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos que não são adequados, afirma a psicóloga Patrícia Honorato.

Ainda de acordo com Patrícia, a saúde mental dos pacientes é essencial para o equilíbrio de bem-estar geral.

Sintomas como imagem negativa do próprio corpo, se sentido mal sem saber por que, alteração do humor (depressão e euforia numa linha sinuosa), dificuldades de relacionamento social, tristeza repentina, falta de motivação para o trabalho ou outras atividades, alteração do sono como insônia, acordando várias vezes durante o mesmo, entre outros.

Psiquismo

A palavra PSIQUISMO refere-se ao estudo dos fenômenos ou dos processos mentais conscientes ou inconscientes de um indivíduo ou de um grupo de indivíduos.
O vocábulo PSICO tem origem grega “psyché”, que significa alma, espírito, intelecto.
Aristóteles usou a palavra “psique” para indicar o princípio vital específico de cada reino, chamando de Phitos ao reino vegetal, Zoos ao reino animal e Antropos ao homem. Cada um tem suas propriedades específicas e inconfundíveis.

 “É de extrema importância que os familiares, amigos ou colegas de trabalho ao perceberem alteração comportamental da pessoa, devem estimulá-lo a procurar o médico (clínico geral, ginecologista, psiquiatra, clínico de plantão no Serviço de Pronto Atendimento (S.P.A) que será encaminhado para o atendimento psicológico”, disse Patrícia.

A Astir tem a disposição dos associados, serviços de profissionais psicólogas especializadas (Psic. Patrícia Honorato e Psic. Erlani Siqueira) como atendimento individual adulto, adolescente, infantil, familiar, casal, entre outros.

Estes serviços especializados estão disponíveis de segunda a sexta-feira, das 07h30min às 12h30min e das 14 às 18 horas, sendo que nos finais de semana e feriados fica uma profissional de sobre aviso apenas para urgências e emergências e são acionadas pela enfermeira chefe do plantão.

O diretor executivo da Astir, CBPM Alan Mota, comenta que havendo necessidade dos associados ou dependentes se consultarem com as profissionais de psicologia, devem se consultar com médico clinico geral, psiquiatra e outros que farão o encaminhamento para a Psicologia. Após a consulta médica agende na recepção do ambulatório seu atendimento junto a essas profissionais, as quais estão habilitadas para atender qualquer associado, sendo criança, infantil e adulto.

“Essa administração preocupada com a saúde mental mantém em seu quadro, psicólogas, médicos psiquiatras entre outros, para melhor servir os pacientes, sempre buscando progressos constantes para melhor atender os associados, esta tem sido nossa missão”, disse Alan.


Fontes: Psicóloga Dra. Patrícia Honorato/ Alan Mota/ Arquivo
Texto: Jornalista Wilson Souza – DRT/RO 1750 – MTPS
Legenda foto – CB PM Alan Mota – Foto Jornalista Wilson Souza
Imagem – Meramente ilustrativa (Google)
Formatação e publicação – Stanley Monteiro

Astir orienta sobre os benefícios da psicologia

Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, diz psicóloga.

Psicologia é a ciência que busca entender o comportamento humano e o funcionamento mental. É o estudo do ser humano através de análise de suas emoções, ideias e sensações. Previne, diagnostica e trata do sofrimento emocional, doenças mentais e distúrbios de personalidade. Observa e analisa as atitudes, sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos que não são adequados, afirma a psicóloga Patrícia Honorato.

O associado ou dependente que apresentar dificuldades nas relações humanas, sentimento de estado limite, desespero, se sentir sem esperança, baixa autoestima acentuada, tristeza profunda, dificuldade de acreditar na solução dos seus problemas pode estar vivendo um quadro de sofrimento emocional intenso e desenvolver uma doença mental como depressão, tentativa de suicídio ou até mesmo a consumação do mesmo. Em casos de dificuldades emocionais, a psicologia é de relevância, descreve Patrícia.

Ainda conforme Patrícia, nesses casos o auxílio familiar é de extrema importância, estimulando o ente querido a procurar orientação médica e psicológica o quanto antes. Para stress do dia a dia e outras situações que implicam na instabilidade emocional, o serviço de psicologia da Astir, em sua sede na capital, oferece tratamento com profissionais especializadas.

Os associados podem procurar o serviço de psicologia com ou sem encaminhamento médico e se manter fidelizado ao tratamento, que normalmente se inicia com consultas semanais, que duram em média 50 minutos, salvo urgência e emergência, explica Patrícia.

“É de extrema importância que os familiares, amigos ou colegas de trabalho ao perceberem alteração comportamental da pessoa, devem estimulá-lo a procurar o médico (clínico geral, ginecologista, psiquiatra, neurologista, clínico de plantão no Serviço de Pronto Atendimento (S.P.A) e o psicólogo,  que dependendo do caso podem indicar o tratamento adequado, o mais rápido” informa a psicóloga.

A Astir tem a disposição dos associados, serviços de profissionais psicólogas especializadas (Psic. Patrícia Honorato e Psic. Erlani Siqueira) como atendimento individual adulto, adolescente, infantil, familiar, casal, entre outros.

Estes serviços especializados estão disponíveis de segunda a sexta-feira, das 7:30 as 12:30 e das 14 as 18 horas, sendo que nos finais de semana e feriados fica uma profissional de sobre aviso apenas para urgências e emergências e são acionadas pela enfermeira chefe do plantão.

O diretor do Hospital Tiradentes, médico Jean negreiros, ressalta que as profissionais da área de psicologia, podem contribuir com seus conhecimentos, possibilitando cada campo de atuação uma gama infinita de descobertas sobre o paciente e seu comportamento, ou sobre relações humanas, auxiliando a superar os momentos difíceis, adversos, devolvendo a autoestima e a volta ao convívio social normal.

O diretor executivo da Astir, CBPM Alan Mota, comenta que havendo necessidade dos associados ou dependentes a consultarem as profissionais de psicologia, devem agendar as consultas por telefone ou pessoalmente na sede do complexo hospitalar e administrativo, o que também pode ser feito por familiares ou dependentes. “Essa administração preocupada com a saúde mental mantém em seu quadro, psicólogas, médicos psiquiatras entre outros, para melhor servir os pacientes, progressos constantes no atendimento aos associados, esta tem sido nossa missão”, disse Alan.

Texto: Wilson Souza
Foto: Arquivo Astir
Fonte: Patrícia Honorato – psicóloga

Astir orienta sobre os benefícios da psicologia

Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, diz psicóloga.

Psicologia é a ciência que busca entender o comportamento humano e o funcionamento mental. É o estudo do ser humano através de análise de suas emoções, ideias e sensações. Previne, diagnostica e trata do sofrimento emocional, doenças mentais e distúrbios de personalidade. Observa e analisa as atitudes, sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos que não são adequados, afirma a psicóloga Patrícia Honorato.

 

O associado ou dependente que apresentar dificuldades nas relações humanas, sentimento de estado limite, desespero, se sentir sem esperança, baixa autoestima acentuada, tristeza profunda, dificuldade de acreditar na solução dos seus problemas pode estar vivendo um quadro de sofrimento emocional intenso e desenvolver uma doença mental como depressão, tentativa de suicídio ou até mesmo a consumação do mesmo. Em casos de dificuldades emocionais, a psicologia é de relevância, descreve Patrícia.

 

Ainda conforme Patrícia, nesses casos o auxílio familiar é de extrema importância, estimulando o ente querido a procurar orientação médica e psicológica o quanto antes. Para stress do dia a dia e outras situações que implicam na instabilidade emocional, o serviço de psicologia da Astir, em sua sede na capital, oferece tratamento com profissionais especializadas.

 

Os associados podem procurar o serviço de psicologia com ou sem encaminhamento médico e se manter fidelizado ao tratamento, que normalmente se inicia com consultas semanais, que duram em média 50 minutos, salvo urgência e emergência, explica Patrícia.

Astir orienta sobre os benefícios da psicologia

Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, diz psicóloga.

Psicologia é a ciência que busca entender o comportamento humano e o funcionamento mental. É o estudo do ser humano através de análise de suas emoções, ideias e sensações. Previne, diagnostica e trata do sofrimento emocional, doenças mentais e distúrbios de personalidade. Observa e analisa as atitudes, sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos que não são adequados, afirma a psicóloga Patrícia Honorato.

O associado ou dependente que apresentar dificuldades nas relações humanas, sentimento de estado limite, desespero, se sentir sem esperança, baixa autoestima acentuada, tristeza profunda, dificuldade de acreditar na solução dos seus problemas pode estar vivendo um quadro de sofrimento emocional intenso e desenvolver uma doença mental como depressão, tentativa de suicídio ou até mesmo a consumação do mesmo. Em casos de dificuldades emocionais, a psicologia é de relevância, descreve Patrícia.

Ainda conforme Patrícia, nesses casos o auxílio familiar é de extrema importância, estimulando o ente querido a procurar orientação médica e psicológica o quanto antes. Para stress do dia a dia e outras situações que implicam na instabilidade emocional, o serviço de psicologia da Astir, em sua sede na capital, oferece tratamento com profissionais especializadas.

Os associados podem procurar o serviço de psicologia com ou sem encaminhamento médico e se manter fidelizado ao tratamento, que normalmente se inicia com consultas semanais, que duram em média 50 minutos, salvo urgência e emergência, explica Patrícia.

“É de extrema importância que os familiares, amigos ou colegas de trabalho ao perceberem alteração comportamental da pessoa, devem estimulá-lo a procurar o médico (clínico geral, ginecologista, psiquiatra, neurologista, clínico de plantão no Serviço de Pronto Atendimento (S.P.A) e o psicólogo,  que dependendo do caso podem indicar o tratamento adequado, o mais rápido” informa a psicóloga.

A Astir tem a disposição dos associados, serviços de profissionais psicólogas especializadas (Psic. Patrícia Honorato e Psic. Erlani Siqueira) como atendimento individual adulto, adolescente, infantil, familiar, casal, entre outros.

Estes serviços especializados estão disponíveis de segunda a sexta-feira, das 7:30 as 12:30 e das 14 as 18 horas, sendo que nos finais de semana e feriados fica uma profissional de sobre aviso apenas para urgências e emergências e são acionadas pela enfermeira chefe do plantão.

O diretor do Hospital Tiradentes, médico Jean negreiros, ressalta que as profissionais da área de psicologia, podem contribuir com seus conhecimentos, possibilitando cada campo de atuação uma gama infinita de descobertas sobre o associado e seu comportamento, ou sobre relações humanas, auxiliando a superar os momentos difíceis, adversos, devolvendo a autoestima e a volta ao convívio social normal, fala Jean.

O diretor executivo da Astir, SD PM Alan Mota, comenta que havendo necessidade dos associados ou dependentes a consultarem as profissionais de psicologia, devem agendar as consultas por telefone ou pessoalmente na sede do complexo hospitalar e administrativo, o que também pode ser feito por familiares ou dependentes. “Essa administração preocupada com a saúde mental mantém em seu quadro, psicólogas, médicos psiquiatras entre outros, para melhor servir os pacientes, progressos constantes no atendimento aos associados, esta tem sido nossa missão”, disse Alan.

 

Texto: Wilson Souza
Foto:  Arquivo Astir
Fonte: Patrícia Honorato – psicóloga