Leite em pó com vitaminas – Uso indiscriminado pode trazer conseqüências aos bebes e criança diz médico pediatra da Astir

O médico, Sérgio Freitas, especialista em pediatria e neonatalogia da Astir, ALERTA, sobre o uso de leite em pó com vitaminas, complexos vitamínicos, sem receituário médico, podem desenvolver patologias nos bebes e crianças. “Os bebes até os 6 meses devem ser amamentados pela mãe, não existe nenhum substituto no mercado comercial, porém caso a mamães tenham dificuldades para aleitar, o médico deverá ser consultado com urgência”, disse Sérgio.

Médico pediatra e neonatologista Sérgio Freitas

Ainda de acordo com o médico os pais devem levar os filhos ao consultório médico antes de usar qualquer tipo de leite em pó, pode ocasionar problemas de saúde como desnutrição, obesidade, carência de vitamina D, entre outros.

Obesidade infantil:

A obesidade é uma acumulação excessiva de gordura corporal, uma enfermidade crônica e progressiva, que traz consigo diversas complicações e problemas de saúde. Pode ser considerado também, como o resultado de um balanço energético positivo, onde a ingestão alimentar é maior que o gasto energético.

O leite materno é importantíssimo e não deve ser substituído pelo leite em pó, outros tipos de leite, ou complementos lácteos, só em casos em que a mãe não possui leite suficiente. A partir dos seis meses, além do leite, é necessário acrescentar papinhas e frutas, de forma moderada, na alimentação dos bebês. Quando as crianças largam o leite materno e são apresentadas aos alimentos, é importante desde aí a formação de hábitos alimentares, e de horários certos para as refeições.

Desnutrição:

A desnutrição infantil é uma doença de origem multicausal e complexa que tem suas raízes na pobreza. Ocorre quando o organismo não recebe os nutrientes necessários para o seu metabolismo fisiológico, devido a falta de aporte ou problema na utilização do que lhe é ofertado. Assim sendo, na maioria dos casos, a desnutrição é o resultado de uma ingesta insuficiente, ou fome, e de doenças

Entre os fatores que contribuem para a desnutrição na criança pequena encontram-se as suas necessidades relativamente maiores, tanto de energia como de proteínas, em relação aos demais membros da família; o baixo conteúdo energético dos alimentos complementares utilizados e administrados com freqüência insuficiente; a disponibilidade inadequada de alimentos devido à pobreza, desigualdade social, falta de terra para cultivar e problemas de distribuição intra-familiar; as infecções virais, bacterianas e parasitárias repetidas, que podem produzir anorexia e reduzir a ingestão de nutrientes, sua absorção e utilização, ou produzir a sua perda; as fomes causadas por secas ou outros desastres naturais ou guerras; as práticas inadequadas de cuidado infantil tais como administração de alimentos muito diluídos e/ou não higienicamente preparados.

Carência de vitamina D

A vitamina D é essencial para a boa saúde e o desenvolvimento das crianças. Ela auxilia no fortalecimento dos ossos, na prevenção do raquitismo e tem inúmeros benefícios para um desenvolvimento saudável dos pequenos.

A vitamina D ajuda o corpo a absorver sais minerais como o cálcio e auxilia na formação de dentes e ossos fortes. A deficiência de vitamina D pode não só causar raquitismo (doença que pode levar à deformidade óssea e fraturas) como também pode evitar que a criança atinja a altura geneticamente programada e o pico de massa óssea.

A vitamina D também funciona como um hormônio, com muitas outras funções no organismo da criança, incluindo a regulação do sistema imunológico, a produção de insulina e o crescimento celular.

Excesso de vitamina D

Apesar de pertencerem a um grupo de nutrientes orgânicos que promovem o bem-estar físico e mental, as vitaminas devem ser ingeridas em porções adequadas. Em excesso, elas podem por em risco a sua saúde e até levar a sintomas tóxicos.

A hipervitaminose, ou envenenamento por vitaminas, ocorre quando o indivíduo ingere altos níveis de vitaminas, que pode levar à intoxicação. O quadro clínico irá depender da substância, mas é geralmente mais grave quando o paciente tem grandes quantidades de vitamina A e D no organismo, já que com outras não é tão habitual, uma vez que elas são eliminadas, normalmente, através da urina.

A hipervitaminose dificilmente se dá pelo consumo excessivo de alimentos ricos em vitaminas, mas sim pela ingestão indiscriminada de suplementos vitamínicos. Por isso, é muito importante seguir as recomendações do médico na hora de usar qualquer tipo de medicamento.

 

O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota fala que profissionais médicos atendem no ambulatório de segunda às sextas-feiras, manhã e tarde para maior conforto dos associados. Em casos de urgência e emergência o pequeno paciente de ser encaminhado ao Serviço de Pronto Atendimento, 24 horas, 7 dias por semana, com médico, equipe de enfermagem padrão, exames de laboratório, aparelhos e equipamentos de última geração, Hospital Tiradentes, entre outros, completou Alan.

 

Fontes: Médico Sérgio Freitas/ SGT PM Alan Mota/ http://www.kerdna.com.br/saude/obesidade-infantil/743-obesidade-infantil.html

http://www.jped.com.br/conteudo/00-76-S285/port.asp/ http://www.vitalatman.com.br/blog/vitamina-d-e-essencial-no-desenvolvimento-das-criancas/

https://gauchazh.clicrbs.com.br/saude/vida/noticia/2013/08/excesso-de-vitaminas-pode-causar-problemas-para-a-saude-4236638.html

Texto (parte): Jornalista Wilson Souza/ Sites da fonte
Imagem: Meramente ilustrativa
Foto: Jornalista Wilson Souza
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – Website

 

DICA DE SAÚDE – O leite em pó é melhor ou pior do que o de caixinha?

Por Thiago Nepomuceno
access_time9 mar 2017, 12h15 – Publicado em 14 ago 2016, 14h0

Na verdade, quase não há diferença entre eles!

Foto meramente ilustrativa – Internet
Alex Silva e Sheila Oliveira

Segundo Ana Clarissa dos Santos Pires, professora do Departamento de Tecnologia de Alimentos da Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, o leite em pó perde poucos nutrientes durante sua fabricação. Isso porque ela acontece mais ou menos assim: a bebida passa por uma máquina que faz com que ela perca água e se torne uma pasta.

Depois, esse material é borrifado na forma de gotículas em um equipamento cheio de ar quente e seco, chamado “spray dryer”. Nesse momento, o produto se transforma em pó. A perda de nutrientes é minimizada porque, durante o processo todo, o líquido não chega a ser submetido a altas temperaturas. “Portanto, essa versão não é contra indicada. Inclusive, é muito útil porque dura mais tempo”, analisa Ana Clarissa.

Fonte: http://saude.abril.com.br/bem-estar/o-leite-em-po-e-melhor-ou-pior-do-que-o-de-caixinha/
Transcrição, distribuição, adaptação e edição de texto para o site da Astir: Wilson Souza

Fotos: Meramente ilustrativas – Internet

Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico. Você deve sempre consultar o seu cirurgião-dentista ou profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO OU SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte.