Ginecologia e obstetrícia – Médico especialista da Astir explica patologias

O médico, Brasil A., especialista em ginecologia e obstetrícia há mais de 40 anos esclarece algumas patologias que acometem as mulheres.

Médico Brasil A. – Especialista em ginecologia e obstetrícia

De acordo com o médico algumas pacientes apresentam algumas enfermidades que apenas o profissional especialista poderá diagnosticar e tratar corretamente, tais como:

Sífilis

A sífilis é uma Infecção Sexualmente Transmissível (IST) curável e exclusiva do ser humano, causada pela bactéria Treponema pallidum. Pode apresentar várias manifestações clínicas e diferentes estágios (sífilis primária, secundária, latente e terciária). Nos estágios primários e secundários da infecção, a possibilidade de transmissão é maior. A sífilis pode ser transmitida por relação sexual sem camisinha com uma pessoa infectada, ou para a criança durante a gestação ou parto.

Prevenção

O uso correto e regular da camisinha feminina ou masculina é uma medida importante de prevenção da sífilis. O acompanhamento das gestantes e parcerias sexuais durante o pré-natal de qualidade contribui para o controle da sífilis congênita.

Sintomas

Sífilis primária

  • Ferida, geralmente única, no local de entrada da bactéria (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca, ou outros locais da pele), que aparece entre 10 a 90 dias após o contágio. Essa lesão é rica em bactérias.
  • Normalmente não dói, não coça, não arde e não tem pus, podendo estar acompanhada de ínguas (caroços) na virilha.

Sífilis secundária

  • Os sinais e sintomas aparecem entre seis semanas e seis meses do aparecimento e cicatrização da ferida inicial.
  • Podem ocorrer manchas no corpo, que geralmente não coçam, incluindo palmas das mãos e plantas dos pés. Essas lesões são ricas em bactérias.
  • Pode ocorrer febre, mal-estar, dor de cabeça, ínguas pelo corpo.

Sífilis latente – fase assintomática

  • Não aparecem sinais ou sintomas.
  • É dividida em sífilis latente recente (menos de dois anos de infecção) e sífilis latente tardia (mais de dois anos de infecção).
  • A duração é variável, podendo ser interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas da forma secundária ou terciária.

Sífilis terciária

  • Pode surgir de dois a 40 anos depois do início da infecção.
  • Costuma apresentar sinais e sintomas, principalmente lesões cutâneas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas, podendo levar à morte.

Tratamento

Apenas o médico é o profissional qualificado para emitir receituário de medicamentos.

Candidíase Vaginal

A candidíase vaginal é uma infecção muito comum na mulher devido ao aumento da população do fungo Candida albicans, que está normalmente presente na flora da região íntima da mulher, mas que se desenvolve muito em algumas situações.

A candidíase vaginal é mais freqüente em grávidas e mulheres com o sistema imune enfraquecido e, algumas das principais causas incluem o uso excessivo de antibióticos ou corticóides, a diabetes ou os maus hábitos de higiene, porque facilitam o crescimento de fungos.

Porém, a candidíase vaginal tem cura e o seu tratamento deve ser feito com o uso de comprimidos que se podem tomar ou colocar na vagina ou mesmo com pomadas antifúngicas receitadas pelo ginecologista, como também a sífilis e outras doenças, apneas o profissional médico está apto a emitir a competente receita.

 Além disso, a candidíase vaginal não é uma doença sexualmente transmissível, mas durante o tratamento o casal deve utilizar preservativo para evitar transmitir fungos de uma pessoa para a outra e, em muitos casos, o tratamento deve ser feito também pelo homem, mesmo que não tenha sintomas, para evitar a recorrência da infecção.

Brasil A. fala que em outra oportunidade discorrerá sobre diferentes patologias que afligem a mulher.

Em caso de urgência e emergência a paciente deverá ser conduzida ao Servilo de Pronto Atendimento com médico 24 horas, 7 dias por semana, e ainda com equipe de enfermagem padrão, outros médicos de sobreaviso e rede conveniada, caso o médico decida por transferir a associada.

Texto: Jornalista Wilson Souza DRT/RO 1705 MTPS
Foto: Jornalista Wilson Souza DRT/RO 1705 MTPS
Formatação e publicação: Stanley Monteiro
Fontes: Médico Brasil A./ ST PM Mauro Seibert/ http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/sifilis-2/ https://www.tuasaude.com/candidiase-vaginal/

Ginecologia e obstetrícia – Médica da Astir explana sobre patologias

A médica, Iaísa Ribeiro, especialista em ginecologia e obstetrícia explana patologias freqüentes em seu consultório.

Iaísa Ribeiro – Médica especialista em ginecologia e obstetrícia

De acordo com a profissional de saúde as patologias devem eventualmente ser tratadas apenas pelo médico, pois a automedicação pode piorar o quadro e a doença evoluir para um patamar muito além do aceitável. Com o tratamento realizado pelo médico assistente, a paciente poderá em menor espaço de tempo obter a cura, afirmou Iaísa.

Candidiase vaginal

Para enfrentar os desafios diários com saúde e disposição é necessário fortalecer sempre o nosso sistema imunológico. Assim, o organismo fica protegido contra infecções, inclusive, as vaginais, como a candidíase.

A candidíase é uma infecção por fungos. Entre os sintomas estão coceira intensa na vulva e na vagina e também ardência e inchaço na região. Pode aparecer dor ao urinar ou ardência no ato sexual. Associado a candidíase ainda pode aparecer um corrimento esbranquiçado, sem odor.

“A mulher deve se alimentar bem, em horários regulares e dormir 8 horas diariamente. Se ela mantiver hábitos saudáveis, fortalecerá o seu sistema imunológico, manterá a imunidade alta e a cândida não proliferará”, explica a ginecologista.

 

A cândida normalmente vive dentro do sistema gastrointestinal, sendo encontrada até no ânus. O caminho até a vagina é curto e fácil, porém ela só se desenvolverá como candidíase se achar alguma brecha na proteção natural que o corpo já oferece.

“Nós temos nossos mecanismos de defesa. No caso da vagina, são as bactérias que vivem lá, o ph e o sistema imunológico que defende a mulher para que não desenvolva a doença com a chegada desses fungos. Quando um desses mecanismos de defesa está irregular, o fungo acha a oportunidade de crescer”, detalha a ginecologista. Com um novo espaço para se proliferar, os sintomas aparecem com facilidade.

A doença não é sexualmente transmissível, apesar do fungo, eventualmente, poder chegar à vagina durante o ato sexual. Isso inclui também o sexo oral.  O local é favorável para o fungo se desenvolver porque é úmido e quente.

Se a paciente tem dificuldades para evacuar, acaba aumento a quantidade do fungo em seu organismo e é na hora da limpeza que um dos riscos maiores de contágio do fundo pode acontecer. A ginecologista é clara na orientação. “Após evacuar, não se deve limpar com o papel higiênico no sentido de trás para frente”, reforça.

A médica ALERTA: Não faça uso da automedicação, ou seja, não tome qualquer tipo de medicamento sem receituário médico, pois pode causar sérios danos à sua saúde, muitas vezes irreversíveis o que pode eventualmente evoluir para óbito, principalmente antibióticos de qualquer natureza em conjunto com antiinflamatórios, cremes vaginais entre outros, pontuou.

É difícil alguém que não já tenha o fungo, segundo a médica. Ao menos uma vez na vida, ele pode se manifestar como doença. Paciente diabético ou que usaram recentemente antibióticos, mulheres na menopausa, pessoas que fazem uso continuo de corticóides ou portadores de HIV devem estar alertas porque são mais vulneráveis à infecções.
Para tratar a candidíase o primeiro passo é buscar atendimento profissional.

“O ginecologista é quem consegue fazer o diagnóstico clínico só de olhar a secreção. Às vezes ela pode ser mista: é uma candidíase com algum outro problema. Não é uma condição que é possível comprar um remédio sem uma análise. Por se tratar de um fungo ele pode ser resistente a um remédio ou ter que ser tratado com uma medicação diferente de uma última vez, caso a mulher já tenha tido a infecção”, informa a ginecologista.

O Ministério da Saúde não recomenda, em nenhum caso, a automedicação.

Para prevenção da candidíase fica a importante dica da médica: “Se você não dorme bem, leva uma vida estressante, fuma e é sedentária estarão favorecendo o aparecimento de infecções, como as de repetição – como é chamada a candidíase no seu corpo”.

É importante lembrar que quando se busca ter saúde, adotar medidas simples no dia a dia como fazer uma atividade física, ter uma alimentação equilibrada, evitando alimentos minimamente processados e ultra processados, pode ter ganhos que vão além do que costumamos ver.

Herpes genital

Herpes genital é uma doença sexualmente transmissível de alta prevalência, causada pelo vírus do herpes simples (HSV), que provoca lesões na pele e nas mucosas dos órgãos genitais masculinos e femininos.

Uma vez dentro de um organismo, dificilmente esse vírus será eliminado, porque se aproveita do material fornecido pelas células do hospedeiro para sua replicação. Além disso, como se esconde dentro das raízes nervosas, o sistema imunológico não tem acesso a ele.

Vale lembrar que a Postal Saúde desenvolve um programa focado na prevenção e no rastreamento de infecções sexualmente transmissíveis (IST) e de alguns tipos de câncer que mais acometem as mulheres.

Existem dois tipos de herpes simples (HSV):

  1. a) O tipo 1, responsável pelo herpes facial, manifesta-se principalmente na região da boca, nariz e olhos;
  2. b) O tipo 2 que acomete principalmente a região genital, ânus e nádegas.

O período de incubação varia de dez a quinze dias após a relação sexual com o portador do vírus, que pode ser transmitido mesmo na ausência das lesões cutâneas ou quando elas já estão cicatrizadas.

Herpes genital na gravidez pode provocar abortamento espontâneo, uma vez que existe a transmissão vertical do vírus. O herpes congênito é uma doença extremamente grave e letal.

Características das lesões

Pequenas vesículas que se distribuem em forma de buquê nos genitais masculinos e femininos. Às vezes, elas estão presentes dentro do meato uretral ou, por contigüidade, podem atingir a região anal e perianal, de onde se disseminam se o sistema imunológico estiver debilitado.

As lesões do herpes genital costumam regredir espontaneamente, mesmo sem tratamento, nos indivíduos imunes competentes. Nos imunes suprimidos, porém, elas adquirem dimensões extraordinárias.

Primeira infecção e recidivas

A primeira infecção pode ser muito agressiva e longa, porque o vírus do herpes genital (HSV) é um elemento estranho e não houve tempo ainda para o sistema de defesa desenvolver estratégias para combatê-lo. Já as recidivas costumam ser menos graves, porque o organismo criou anticorpos capazes de tornar a doença auto limitada, mas permanece o risco de recidivas.

Sintomas

Ardor, prurido, formigamento e gânglios inflamados podem anteceder a erupção cutânea.As manchas vermelhas que aparecem alguns dias mais tarde evoluem para vesículas agrupadas em forma de buquê. Depois, essas pequenas bolhas cheias de líquido se rompem, criam casca, cicatrizam, mas o vírus migra pela raiz nervosa até alojar-se num gânglio neural, onde permanece quiescente até a recidiva seguinte.

Tratamento
Apenas o profissional médico poderá receitar medicamentos de acordo com a patologia instalada.
Como prevenir o herpes genital?
  • Sempre usar camisinha nas relações sexuais, isso ajuda a evitar a transmissão da doença. Fazer sempre uma boa higienização das regiões genitais antes e depois de cada relação sexual.
  • Evitar múltiplos parceiros sexuais.

Atenção! A mulher deve informar ao médico que é portadora do vírus do herpes genital, se pretende engravidar, mesmo que no momento não tenha lesões ativas, pela possibilidade de transmissão para o filho.

  • Mesmo as pessoas que estejam sem lesões podem transmitir o herpes genital.
  • A escarificação das lesões pelo ato de coçar pode disseminar as lesões.

O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota informa que o especialista atende as terças partir das 08h00min horas, por ordem de chegada e as sextas-feiras a partir das 13h00min Horas (agendado) ligue 3223 3686 ou celular 9 9285 6131 e marque sua consulta. Urgências e emergências, a paciente deve ser encaminhado ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA) que trabalha 24 horas, 7 dias por semana, com médico, equipe de enfermagem padrão, outros profissionais de saúde de sobreaviso, entre outros serviços peculiares da emergência médica, finalizou.

Fontes: Médica Iaísa Ribeiro/ SGT PM Alan Mota/ http://www.blog.saude.gov.br/index.php/51617-candidiase-vaginal-cuidados-diarios-podem-evitar-evolucao-da-doenca/ Sites Dráuzio Varella/ Abc Med/ https://www.postalsaude.com.br/beneficiario/noticias/herpes-genital-sintomas-tratamento-e-prevencao?app=0
Texto: Jornalista Wilson Souza/ Sites da fonte/ Médica Iaísa Roibeiro
Foto: Jornalista Wilson Souza

GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA – Médico especialista da Astir orienta

Médico ginecologista e obstetra – Dr. A. Brasil

 

O médico especialista em ginecologia e obstetrícia, A. Brasil orienta as pacientes sobre os ciclos de menstruação como segue:
Menarca – Menarca é a primeira menstruação de uma mulher, que acontece durante a adolescência, entre os 10 e os 15 anos de idade.
Após a primeira menstruação o corpo da mulher já está preparado para ter filhos, passando assim por intensas transformações biológicas, psicológicas e sociais.

Sintomas da Menarca
Assim como as outras menstruações, a menarca pode apresentar cólicas.

Duração da Menarca
A duração da primeira menstruação varia de mulher pra mulher, mas geralmente o fluxo é fraco e dura aproximadamente 3 dias. É comum o ciclo ser irregular no primeiro ano, a próxima menstruação pode acontecer  2 ou 3 meses após a menarca.

Mudanças Corporais após a menarca
A menarca é considerada um evento central da puberdade feminina, e marca o inicio de inúmeras mudanças corporais como o desenvolvimento das mamas, aumento de peso, desenvolvimento dos órgãos genitais, aparecimento de pêlos pubianos e nas axilas e aumento dos quadris.

ClimatérioO climatério é o período de transição em que a mulher passa da fase reprodutiva para a fase não-reprodutiva. Essa alteração ocorre devido a uma diminuição dos hormônios produzidos pelos ovários levando ao fim da fase reprodutiva da mulher e ocorre por volta dos 50 anos.
O climatério precoce ocorre quando estes sintomas surgem por volta dos 40 e 45 anos de idade.

Sintomas do climatério

  • Ondas de calor repentinas
  • Falta de desejo sexual
  • Menstruação irregular, acordar muitas vezes durante a noite
  • Insônia, sudorese, formigamentos, irritabilidade
  • Cansaço, ansiedade, choro fácil, tontura, palpitações
  • Esquecimento, tristeza, dor de cabeça, falta de concentração
  • Secura vaginal, dor nas relações
  • Infecção urinária, dor nas articulações
  • Incontinência urinária ao esforço
  • Dor muscular, osteoporose, perda dentária
  • Doenças cardiovasculares

Estes sintomas iniciam-se antes da última menstruação e podem durar até 3 anos após essa ocorrência.

Para o diagnóstico do climatério devem-se observar os sinais e sintomas que a mulher apresenta e pode-se realizar a dosagem hormonal para confirmá-lo.

A menopausa – É caracterizada pelo fim da menstruação, por volta dos 45 anos de idade, e é marcada por sintomas como ondas de calor que surgem repentinamente e a sensação de calafrios que vêm logo a seguir.

O tratamento para menopausa pode ser feito através da reposição hormonal sob indicação do ginecologista, mas também pode ser feito de forma natural com o uso de fitoterápicos.

O que acontece na menopausa
O que acontece na menopausa é que o organismo deixa de produzir os hormônios estrogênio e progesterona, e isto pode gerar sintomas como ausência de menstruação, ondas de calor e irritabilidade, mas nem todas as mulheres percebem estes sintomas, para algumas a menopausa pode passar quase que despercebida sendo somente diagnosticada pelo médico através de um exame de sangue que verifica a questão hormonal.

Os sintomas da menopausa podem surgir a partir dos 35 anos de idade e tendem a se intensificar a partir desta idade. A idade da menopausa varia entre os 40 e 52 anos. Quando ela ocorre antes dos 40 é chamada de menopausa precoce e quando ocorre depois dos 52 anos, menopausa tardia.

Algumas alterações que acontecem na menopausa são:

  • Cérebro: alterações de humor e da memória, irritabilidade, depressão, ansiedade, dor de cabeça e enxaqueca;
  • Pele: aumento da sensibilidade ao calor, vermelhidão, acne e pele seca;
  • Mamas: aumento da sensibilidade da mama e caroços;
  • Articulações: Diminuição de a mobilidade articular, rigidez;
  • Sistema digestivo: Tendência a prisão de ventre;
  • Músculos: cansaço, dor nas costas, diminuição da força muscular;
  • Ossos: Perda da densidade óssea;
  • Sistema urinário: secura vaginal, enfraquecimento dos músculos que suportam o reto, útero e bexiga, tendência a desenvolver infecções urinárias e vaginais;
  • Fluidos corporais: retenção de líquidos e aumento da pressão arterial.

O presidente do conselho administrativo da Astir, SGT PM RR Fábio Macedo informa que o ambulatório da Astir disponibiliza médicos especialistas em ginecologia obstetrícia as segundas, quartas e quintas-feiras por agendamento. “Em caso de urgência e emergência a paciente deverá ser encaminhada ao Serviço de Pronto Atendimento (SPA), 24 horas, 7 dias por semana, com médico equipe de enfermagem, entre outros. “O médico avaliará o caso e se for necessário encaminhará a paciente para o especialista ou Hospital conveniado, disse Fábio.

Fontes: Dr. A. Brasil ginecologista/ SGT PM RR Fábio Macedo/ https://www.tuasaude.com/menarca/ https://www.tuasaude.com/climaterio/
https://www.tuasaude.com/menopausa/
Texto: Jornalista Wilson Souza e sites da fonte
Fotos: Jornalista Wilson Souza
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – Website