Setembro Amarelo, Astir abraça essa causa

O Setembro Amarelo é uma campanha de prevenção ao suicídio que visa à conscientização da população sobre esse grave problema e formas de evitá-lo.

Setembro é o mês em que é realizada a campanha de conscientização sobre a prevenção do suicídio, sendo o dia 10 desse mês o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. Essa campanha, conhecida como “Setembro Amarelo”, foi criada no Brasil, em 2015, pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). Essa é uma campanha de extrema importância, uma vez que o suicídio é um problema grave de saúde pública e que, muitas vezes, pode ser evitado.

Apesar de o assunto ser delicado, é importante conversamos sobre o suicídio e maneiras como preveni-lo. Muitas pessoas pensam que esse ato é uma realidade distante e que afeta poucas pessoas, mas, infelizmente, os dados da Organização Mundial de Saúde (OMS) mostram o contrário. De acordo com a OMS, a cada 40 segundos, uma pessoa morre por suicídio em algum lugar do nosso planeta. Isso significa que, em um ano, mais de 800 mil pessoas perdem sua vida dessa forma.

As causas do suicídio são variadas e, segundo o CVV, especialistas identificam transtornos mentais na maior parte das pessoas que se suicidam ou que tentam fazê-lo. Dentre os principais transtornos observados, destacam-se a depressão na forma simples, a depressão na formabipolar, a dependência química e a esquizofrenia.

Entretanto, não podemos afirmar que todas as pessoas que cometem suicídio apresentam esses transtornos. Não podemos nos esquecer de que, muitas vezes, o suicídio acontece de maneira impulsiva diante de algumas situações muito impactantes e inesperadas da vida, como final de relacionamentos, perda de pessoas queridas, abusos ou mesmo crises financeiras. O suicídio também é comum em pessoas que sofrem discriminação, como refugiados, imigrantes, gays, lésbicas, transgênicos e intersexuais.

Quando entendemos que o suicídio é uma realidade e que pode afetar pessoas a nossa volta, fica mais claro que é fundamental conversamos a respeito. Os suicídios podem ser evitados desde que tenhamos conhecimento sobre seus sintomas, suas causas e formas de evitá-lo.

Como podemos ajudar na prevenção do suicídio?

Para contribuirmos na prevenção do suicídio, devemos ser capazes de perceber os sinais de alerta que uma pessoa emite. Se você perceber que uma pessoa, por exemplo, está desinteressada (até mesmo das atividades de que gostava), não tem mais a mesma produtividade na escola ou no trabalho, está isolando-se de amigos e parentes, descuidando-se da aparência, não se importa mais com suas atividades diárias ou diz muitas frases relacionadas à morte, isso pode ser sinais de que aquela pessoa está precisando de ajuda.

O primeiro passo é conversar com essa pessoa, mas aqui fica uma dica importante: deixe que a pessoa fale, sem emitir julgamentos ou opiniões sobre o assunto. Deixe bem claro que sua vontade é apenas ajudar. O que devemos lembrar sempre é que não devemos medir a dor dos outros pelas nossas experiências pessoais e entender que o que não nos afeta não necessariamente não causa dor e sofrimento no outro.

É importante sempre incentivar a pessoa que está apresentando sinais de que pretende cometer suicídio a procurar ajuda especializada. Em casos visivelmente graves, é essencial que a família tenha conhecimento da situação, bem como amigos próximos, para que a pessoa seja acolhida e estimulada a procurar ajuda.

Caso perceba que a pessoa corre risco imediato, é fundamental não deixá-la sozinha. Nesses casos, entre em contato com serviços de emergência e com alguém de confiança.

A gestora de enfermagem a Asitr, Maríndia Cavalcante convida todos a participarem no próximo dia 17, no ambulatório de ato alusivo a prevenção do suicídio, com palestra de psicólogos e outros profissionais de saúde. “Não deixe de comparecer é muito importante esse tema, nos dias atuais, disse Maríndia”.

 Fontes: Enfermeira Maríndia Cavalcante/ https://brasilescola.uol.com.br/saude/setembro-amarelo.htm
Texto: Jornalista Wilson Souza/ https://brasilescola.uol.com.br/saude/setembro-amarelo.htm
Imagem: Meramente ilustrativa – Google

Campanha “Maio Amarelo” lembra importância da conscientização no trânsito

Observatório Nacional de Segurança Viária criou o movimento para conscientizar motoristas, motociclistas, ciclistas, pedestres a evitar atitudes perigosas, que custam vidas.

Começou nesta quarta (1º) a campanha que lembra a importância da educação no trânsito pra salvar vidas.

César Menezes: “Eu nasci na década de 60 e o carro da minha família era sem o retrovisor externo do lado direito, vinha de fábrica, não era exigido. Dentro, a gente tinha até uma alça pra segurar, mas cinto de segurança, nem na frente, nem atrás. E eu não me lembro sei quantas vezes eu viajei no espaço em cima do motor, atrás do banco, que a gente chamava de chiqueirinho. A velocidade máxima na estrada era de 80 kmh, mas a gente via muita gente passar a 100 kmh, 120 kmh e não tinha radar. Tudo isso parece bem absurdo hoje. É que muita coisa mudou: na fiscalização, na tecnologia dos carros, na forma de conduzir. Tudo pra dar segurança na hora de dirigir”.

Além do cinto, os carros ganharam airbag, freios ABS. Hoje, tem mais tecnologia até pra aprender a dirigir. Simuladores preparam os candidatos para enfrentar as ruas e as situações de perigo.

“Você entra nas aulas práticas já com a vantagem, você já sabe o que fazer pelo menos no básico, mesmo sendo diferente na hora, você tem os básicos”, conta Gabriel Dudenas, estudante.

As estradas também melhoraram. Traçado, asfalto, sinalização. A lei ficou mais rigorosa. Quem passa dos 20 pontos na carteira de motorista fica sem dirigir por um tempo. E a gente sabe que está difícil escapar da fiscalização.

Ela ficou muito mais eficiente. Mas apesar de tantos avanços, milhares de brasileiros continuam morrendo todos os anos em acidentes de trânsito. E quase todos eles têm um ponto em comum: a imprudência.

“A gente precisa que o brasileiro ajuste a sua conduta não só por medo da multa, mas principalmente por saber que as suas escolhas no trânsito aumentam ou diminuem o risco de acidente”, destaca Tibério de Freitas, porta-voz da PRF-SP.

Um estudo de uma agência do Departamento de Transportes do governo norte-americano concluiu que, em 94% dos acidentes analisados lá, a causa foi um erro humano. A Organização Mundial da Saúde diz que a conclusão vale para o mundo inteiro.

No Brasil, o Observatório Nacional de Segurança Viária criou o movimento Maio Amarelo, para conscientizar motoristas, motociclistas, ciclistas, pedestres a evitar atitudes perigosas, que custam vidas.

“Eu não ando sozinha no carro, eu compartilho a via com outras pessoas. Então, não sou só eu que sou afetada por um acidente de trânsito”, diz uma motorista.

A sexta edição do movimento Maio Amarelo pede para o motorista ouvir o que elas dizem.

Fonte: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/05/01/campanha-maio-amarelo-lembra-importancia-da-conscientizacao-no-transito.ghtml

Texto: https://g1.globo.com/jornal-nacional/noticia/2019/05/01/campanha-maio-amarelo-lembra-importancia-da-conscientizacao-no-transito.ghtml

Transcrição: Jornalista Wilson Souza

 

7º BPM em parceria com a FAAR realizam campanha “Setembro Amarelo”

Setembro Amarelo é uma campanha de conscientização sobre o suicídio, com o objetivo de alertar a população a respeito da realidade do suicídio e sua prevenção. O Setembro Amarelo realizou as primeiras atividades no Brasil em 2015 e neste mês todos os esforços são direcionados para levarem a população a refletirem sobre esta temática.

Fotos – 7º BPM – Ariquemes

O suicídio tem chamado a atenção devido aos seus altos índices e se tornou uma questão de saúde pública. Deste modo, o 7º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia em parceria com as Faculdades Associadas de Ariquemes – FAAR tem trabalhado a campanha com vistas a orientar sobre como identificar pessoas com ideações suicidas, fatores de risco e proteção, como ajudar, formas de prevenção, bem como refletirem sobre a sua própria saúde mental e a importância do auto cuidado.

As estagiárias em psicologia Bianca Miliani e Letícia Vilarins desenvolveram o trabalho trazendo vários questionamentos, os quais fizeram os policiais militares refletirem e participarem ativamente da proposta, proporcionando um ambiente de diálogo e trocas de experiências.

Fotos – 7º BPM – Ariquemes

As atividades que ocorreram na UNISP tiveram a participação além dos policiais militares, dos policiais civis e Corpo de Bombeiros Militares, juntamente com o Capitão BM Clivton. Na oportunidade, a TEN PM Psic Marcia, que acompanhou os trabalhos, agradeceu o Ouvidor da SESDEC, Leandro Ragnini Picoreli, e da equipe Psicossocial da SESDEC Eliude e Rosângela por terem viabilizado o trabalho no âmbito da UNISP. É o segundo ano consecutivo que o 7º BPM trabalha a campanha Setembro Amarelo.

 

Texto e Fonte: TEN PM PISC Márcia Francisca da Costa do Nascimento – Formação Sanitária 7º BPM
Fotos: 7º BPM

7º BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR – Batalhão Cap. Silvio
Comandante: Tenente Coronel PM Alexandre Faria Gonzaga
Comunicação do 7º BPM
End.: Av. Capitão Sílvio, 3354 – Bairro Setor das Grandes Áreas
CEP 76876-684 – Ariquemes/Rondônia
Fone: (69) 3535-3995 (Recepção)
E-mails: comunicacao7bpm@gmail.com