SPA – Médico plantonista demonstra patologias apresentadas na emergência

Técnico de enfermagem Andrews Barros (E) Médico Wesley Pinheiro (D)

O médico, Wesley Pinheiro, clinico geral, demonstra a seguir patologias apresentadas em seu plantão, hoje (05/03).

Diarréia virótica:

As diarréias consistem no aumento do número de evacuações, geralmente com fezes amolecidas ou líquidas. Os vírus que mais causam diarréia são os Rotavírus (50% dos casos) e os Adenovírus (30% dos casos).

Quais são os principais sinais e sintomas da diarréia por vírus?

A diarréia por vírus é mais comum na faixa etária entre os 3 meses e 2 anos de vida, mas ela pode acometer todas as idades, inclusive os adultos, e dura de 3 a 7 dias. A criança pode ter diarréia por vírus mais de uma vez, pois existem vários “sorotipos” de vírus. O sinal capital da diarréia por vírus é o número aumentado de evacuações, de consistência amolecida ou líquida, normalmente sem sangue.

Nas diarréias por vírus, pode também haver câimbras, náuseas, vômitos, dor de cabeça e febre. Algumas diarréias acompanham-se de cólicas, mais ou menos intensas. Uma das conseqüências mais temida da diarréia é a desidratação, devido à perda acentuada de água e sais minerais e que é acentuada pela presença de vômitos. A desidratação pode provocar olhos encovados, rachadura dos lábios, secura da boca e da pele, saliva espessa, sede excessiva, pulso fino, letargia, depressão sensorial, sonolência e confusão mental, na dependência da sua intensidade.

Farigoamigdalite:

A faringoamigdalite é um processo inflamatório de estruturas que compõem as vias aéreas superiores, mais especificamente a faringe e as amígdalas.

Essa inflamação é usualmente causada por infecção viral (cerca de 90% dos casos), porém outros agentes como as bactérias podem ser os responsáveis pelo quadro.

A infecção viral é mais comum em crianças com idade menor que 3 anos, enquanto nas crianças mais velhas a possibilidade de infecção bacteriana aumenta.

Como se transmite?

O principal meio de adquirir a infecção é pelo contato com o indivíduo doente, uma vez que este elimina no ar pequenas partículas contendo os agentes causais. Quando a pessoa sadia entra em contato com essas partículas passa a ser colonizada pelos agentes, os quais podem conseguir vencer as barreiras naturais de defesa do organismo e crescerem a ponto de desencadear um processo inflamatório.

Pneumonia bacteriana:

A pneumonia bacteriana é uma infecção grave dos pulmões que gera sintomas como tosse com catarro, febre e dificuldade para respirar, que surge após uma gripe que não passa ou que piora ao longo do tempo.

Geralmente, a pneumonia bacteriana é causada pela bactéria em Streptococcos pneumoniae, no entanto, outros agentes etiológicos como Klebsiella pneumoniaeStaphyloccus aureusHaemophilus influenzaeLegionella peumophila também podem levar ao surgimento da doença.

A pneumonia bacteriana, normalmente, não é contagiosa e pode ser tratada em casa com a ingestão de antibióticos receitados pelo médico. Porém, no caso de bebês ou pacientes idosos, pode ser necessário internamento no hospital.

Ainda de acordo com o médico toda e qualquer infecção bacteriana, tem que ser investigada para se chegar ao diagnóstico e dessa forma prescrever os medicamentos, do grupo antibióticos (SÓ PODEM SER ADQUIRIDOS COM RECEITUÁRIO MÉDICO).

CB PM Alan Mota – diretor executivo da Astir

O diretor executivo da Astir, CB PM Alan Mota alerta os associados que em caso de urgência e emergência (pneumonia é emergência segundo os médicos) devem ser encaminhados para o Serviço de Pronto Atendimento que conta com médico, equipe de enfermagem, Hospital Tiradentes, laboratório de análises clinicas e outros 24 horas, 7 dias por semana a serviço da saúde dos nossos coligados, concluiu.

Fontes: CB PM Alan Mota/ Dr. Wesley Pinheiro/ http://www.abc.med.br/p/sinais.-sintomas-e-doencas/1268668/diarreia+por+virus.htm / http://www.boasaude.com.br/artigos-de-saude/5683/-1/faringoamigdalite / https://www.tuasaude.com/pneumonia-bacteriana/

Texto: Jornalista Wilson Souza e sites da fonte
Fotos: Jornalista Wilson Souza
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – Website

 

Esta notícia foi visualizada 125 vezes