ASTIR - Associação dos Policiais Militares e Bombeiros Militares do Estado de Rondônia SPA – Médica relata casos de gastroenterocolite bacteriana
Home / Notícias / SPA – Médica relata casos de gastroenterocolite bacteriana

SPA – Médica relata casos de gastroenterocolite bacteriana

A médica, Karine Araldi, relata história de patologias apresentadas de alguns pacientes, os quais receberam de pronto o atendimento necessário e cuidados da equipe padrão de enfermagem e tendo como aporte para diagnósticos exames laboratoriais de emergência, medicamentos específicos para cada caso. “Seguimos o protocolo de emergência, dentro dos padrões estabelecidos pelo Ministério da Saúde, com vistas à rápida recuperação do paciente e seu retorno seguro, ao ambiente familiar ou de trabalho.

Médica Karine Araldi

GASTROENTEROCOLITE BACTERIANA o que é?

A diarréia é um desarranjo do intestino com aumento do número de evacuações e fezes amolecidas ou líquidas.

Causas:

Os germes causadores da diarréia costumam chegar ao ser humano através da boca, podendo estar na água ou alimentos contaminados. A maioria das diarréias é causada por vírus, bactérias ou parasitas. Os parasitas são comuns em locais com condições precárias de higiene sanitária.

Complicações da diarréia:

– desidratação;

– diarréias de repetição, desnutrição crônica, retardo do desenvolvimento do peso e estatura;

– retardo do desenvolvimento intelectual;

– morte.

A MÉDICA ALERTA: NÃO TOME MEDICAMENTOS INDICADOS POR TERCEIROS, SOBRAS DE MEDICAMENTOS, COMO TAMBÉM NÃO FAÇA USO DA AUTOMEDICAÇÃO, VOCÊ PODERÁ CORRER SERIOS RISCOS PARA SUA SAÚDE.

Tratamento:

– iniciar a ingestão do soro caseiro* o mais breve possível;

– aumento da ingestão de líquidos como soros, sopas, sucos;

– ingerir de 50 a 100 ml de líquido após cada evacuação diarréica;

– manter a alimentação habitual, principalmente o leite materno, corrigindo erros alimentares e seguindo as orientações médicas;

– observar os sinais de desidratação.

Procurar ajuda médica URGENTE

Sinais da desidratação:

– olhos fundos;

– ausência de lágrimas quando a criança chora;

– boca e língua secas;

– ter muita sede e beber água ou outro líquido muito rápido;

– diminuição da quantidade de urina;

– afundamento da moleira.

Se apresentar dois ou mais sintomas, pode ser desidratação. É necessário procurar a unidade de saúde mais próxima imediatamente para atendimento médico.

Prevenção:

– amamentar o recém-nascido no mínimo até os seis meses de vida;

– beber somente água tratada, filtrada ou fervida;

– beber bastantes líquidos, principalmente nos dias mais quentes;

– observar se os encanamentos da residência não estão furados;

– manter os depósitos de água sempre fechados e fazer limpeza regularmente;

– não tomar banho em rio, açude ou piscina contaminada;

– manter a higiene da casa, pessoal e dos utensílios de mesa e fogão;

– lavar as mãos com água e sabão antes de preparar os alimentos, antes de amamentar, após a troca de fraldas de crianças ou após usar o banheiro;

– proteger os alimentos de moscas, baratas e ratos;

– lavar cuidadosamente as verduras e frutas.

*Como preparar o soro caseiro:

Misture em um litro de água mineral, de água filtrada ou de água fervida (mas já fria) uma colher pequena (tipo cafezinho), de sal e uma colher grande (tipo sopa), de açúcar. Misture bem e ofereça o dia inteiro ao doente em pequenas colheradas.

O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota fala da importância do paciente em não se automedicar, de acordo com as orientações médicas e o Ministério da Saúde. “Os protocolos medicamentosos só poderão ser realizados pelo profissional médico, pois em alguns casos a patologia tende a complicar o que pode levar o paciente a piora geral do quadro ou até mesmo colocar sua saúde, em geral, a todo tipo de risco, finalizou Alan.

Fontes/ Médica Karine Araldi/ SGT PM Alan Mota/ http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/214_diarreia.html

Texto: Jornalista Wilson Souza/ http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/214_diarreia.html
Foto: Jornalista Wilson Souza