Risco Cirúrgico – Médico cardiologista explica

O médico cardiologista, J.C.Couri explica que o risco cirúrgico é uma avaliação pré-cirúrgica e de aporte importante ao profissional médico cirurgião, e que inclui os exames de:

Eletrocardiograma (ECG), hemograma completo, Creatinina, Glicemia, coagulograma, exame clínico do paciente em consultório onde são realizados os exames de Pressão Arterial, ausculta no coração e pulmão, perguntas diversas sobre os hábitos alimentares, alergia a alguns fármacos, entre outros.

Estes exames são realizados em jejum (sangue) e 72 horas que antecedem a cirurgia, é o que informa o médico Couri.

Outros exames podem ser solicitados, dependendo do porte da cirurgia (média e alta complexidade) e pacientes com histórias de acidente vascular cerebral (AVC – conhecido como derrame), infarto agudo do miocárdio, diabetes, hipertensão arterial severa, uso contínuo de medicamentos, entre outros.

O cardiologista, Dr. J.C.Couri fala da importância dos exames e a avaliação do risco cirúrgico, que é uma prevenção necessária, do menor ao maior procedimento, antecipando assim o menor risco possível ao paciente, pois todo e qualquer procedimento cirúrgico só é realizado quando o paciente se encontra em condições clinicas favoráveis para ter um pós-operatório adequado e mais célere.

O sucesso da cirurgia começa com o exame e avaliação de risco cirúrgico correto, disse Couri.

O CB PM Alan Mota, diretor executivo da Astir relata que o cardiologista atende as segundas, terças e quaetas-feiras a partir das 09h00min horas (em média 15) pacientes, por agendamento, porém em caso de urgência e emergência o associado deve ser encaminhado para o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) que funciona 24 horas, 7 dias por semana, com médico, equipe de enfermagem, medicamentos para situações que expiram cuidados, carrinho de emergência, aparelho de eletrocardiograma, exame de troponia-t (O exame de troponina é feito para avaliar a quantidade das proteínas troponina T e troponina I no sangue, que são liberadas quando existe lesão no músculo do coração, como quando acontece um infarto, por exemplo, raios-x, entre outros, de acordo com a gestora de enfermagem Daniele. “Caso o médico plantonista entender que deva o paciente será encaminhado a Hospital de referência conveniado com a Astir de ambulância UTI/semi UTI,  UR ou carro de apoio, quer seja a decisão é do médico, finalizou  Alan Mota

Texto: Jornalista Wilson Souza
Fontes Dr. J.C.Couri/ CB PM Alan Mota/ Enfermeira Daniele/ arquivo do Jornalista Wilson Souza
Imagem: Meramente ilustrativa (Google)
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – Website

 


 

Esta notícia foi visualizada 74 vezes