DICA DE SAÚDE – Halitose o que é? Ministério da Saúde explica

A halitose é uma alteração do hálito que o torna desagradável, podendo significar ou não uma mudança patológica. É um sinal indicativo de que alguma disfunção orgânica (que requer tratamento) ou fisiológica (que requer apenas orientação) esteja acontecendo. A halitose não significa apenas uma doença, mas também, uma alteração das condições fisiológicas como, por exemplo, a halitose matinal, que a maioria das pessoas tem.

 

A halitose em geral é um problema de saúde com conseqüências sociais e econômicas, morais e psicoafetivas tão sérias que aflige, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), aproximadamente 40% da população mundial. A halitose também é conhecida como hálito fétido, mau hálito, fedor da boca.

O hálito é composto pelo ar expirado após a inspiração que provoca as trocas gasosas fisiológicas, associado às substâncias eliminadas por via pulmonar. Estas substâncias partem do intestino para o fígado, para a bile, para o sangue e finalmente para os pulmões, quando são eliminados pela expiração.

 

Causas:

 

A halitose geralmente está associada à existência de cáries e a má higiene bucal, porém pode ter outra origem como a respiratória, (sinusite e amidalite) digestiva, (erupção gástrica, dispepsia, neoplasias e úlcera duodenal) e a de origem metabólica e sistêmica (diabetes, enfermidades febris, alterações hormonais, secura da boca, estresse).

 

Tipos de halitose:

 

A halitose fisiológica relaciona-se a diminuição do fluxo salivar durante o sono: existe um fluxo mínimo de saliva durante o sono. Assim, ocorre putrefação de células epiteliais esfoliadas que permanecem retidas durante esse período ocasionando um odor desagradável, o qual desaparece após a higienização oral pela manhã, restabelecendo o fluxo salivar aos valores normais.

A halitose provocada por medicamentos se deve ao fato de que algumas drogas podem alterar a sensação de gosto e olfato como: sais de lítio, penicilina e tiocarbamida, causando halitose subjetiva, ou ainda podem ser excretadas através do pulmão. Alguns medicamentos antineoplásicos, anti-histamínicos, anfetaminas, tranqüilizantes, diuréticos, fenotiaminas e outras drogas provocam diminuição do fluxo salivar ocasionando o mau hálito.

 

Halitose imaginária, halitofobia ou halitose psicossomática: ocorre em pacientes que apresentam alteração no olfato e passam a acreditar que possuem halitose, porém outras pessoas não detectam o fato.

Existe outro tipo de halitose que é a temporária, de origem alimentar. Esta pode ser causada pela ingestão de alimentos com alho, cebola, condimentos, jejum prolongado, bebidas alcoólicas, pois o metabolismo desses alimentos e bebidas produz ácido e outros compostos que são excretados através dos pulmões.

 

Prevenção:

 

Seja qual for à causa da halitose a higiene bucal é fundamental para o sucesso do tratamento, além da eliminação da sua respectiva causa. Ë imperativo que além da escovação e do uso do fio dental promova-se a periódica limpeza da língua após as refeições e ao deitar, evitando o acúmulo de bactérias.

 

Consultas odontológicas devem ser estimuladas, principalmente quando o paciente for portador de várias restaurações, próteses fixas ou adesivas, pois as mesmas podem estar com áreas que retenham restos de alimentos.

– uso de fio dental e boa escovação, limpando também a língua, após qualquer refeição;
– consulta regular ao dentista;
– realização de bochechos com produtos anti-sépticos;
– ter uma dieta balanceada e evitar comer entre as refeições;
– beber pelo menos dois litros de água por dia;
– controlar o estresse;
– evitar o excesso de comidas gordurosas, cigarros, café, frituras.

De acordo com o vice-diretor executivo da Astir, ST PM Seibert, o ambulatório da sede Porto Velho mantêm profissionais médicos, de segunda às sextas-feiras, assim como, cirurgiões dentistas, os quais são aptos a prevenir, diagnosticar e tratar as doenças que se manifestam na cavidade da boca e no complexo maxilo-mandibular, ou se necessário encaminham para o médico especialista, disse Seibert.

 

“Para seu conforto ligue para os celulares funcionais: Ambulatório – Jéssica = 9 9285-6131/ Gestor da odontologia – SGT PM RR Debrando = 98403 4197 (operadora Claro), finalizou Seibert”.

Telefones fixos:

3221-8089 = ODONTOLOGIA
3223 3686 = AMBULATÓRIO

 

IMPORTANTE: Somente um médico, ou nesse caso cirurgião-dentista, podem diagnosticar doenças, indicar tratamentos e receitar remédios. As informações disponíveis em Dicas em Saúde possuem apenas caráter educativo. (Ministério da Saúde)

Fonte: http://bvsms.saude.gov.br/dicas-em-saude/2075-halitose
Transcrição, adaptação, distribuição e edição de texto: Wilson Souza
Legenda foto ST PM Seibert: Wilson Souza
Imagens meramente ilustrativas (Google e site da fonte)
Publicação e formatação: Stanley Monteiro (Web design – site e gráfico)

 Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico, diagnóstico ou afirmação da Astir. Você deve sempre consultar o seu médico ou profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO ou SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte. (Nota da assessoria de imprensa)

Esta notícia foi visualizada 26 vezes
Tags: