DICA DE SAÚDE – Estimulantes de apetite para crianças

Na esperança de ver o filho raspar o prato muita gente recorre aos estimulantes. Conheça prós e contras e saiba quando eles de fato podem ser eficazes.

“Meu filho não come doutor.” Essa é uma das queixas mais ouvidas pelos pediatras de todos os tempos e hoje, em plena era de epidemia de obesidade, não é diferente. Segundo o pediatra Ruy Pupo Filho, autor do livro Como Educar Seus Filhos (Ed. Campus/ Elsevier), a maioria das mães pede a prescrição de fortificantes para estimular o apetite dos pequenos.

Há cerca de um século os fortificantes têm o suposto poder de fazer milagres e, acreditam as pessoas, se não funcionarem, mal também não irá causar. Mas ao contrário do que se pensam estimulantes de apetites não são substâncias inocentes e podem, sim, provocar efeitos colaterais perigosos se ingeridos sem necessidade.

O tipo mais popular de fortificante não passa de um composto de vitaminas, ferro e cálcio, em proporções que variam de acordo com a marca. E só funciona como estimulante de apetite, garantem os especialistas, se a causa da inapetência for alguma deficiência de nutrientes. Crianças anêmicas, por exemplo, podem se beneficiar. A ingestão de ferro corrige o problema e, como conseqüência, o apetite volta ao normal.

Perigos da automedicação

“O problema começa quando entra em cena a automedicação. Ingerir suplemento de ferro sem necessidade provoca diversos efeitos colaterais. “A substância se deposita em locais como o fígado, o baço e a medula óssea, levando a um funcionamento inadequado desses órgãos”, alerta a nutróloga Roseli Sarni, presidente do departamento de nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria. “O uso exagerado de complementos vitamínicos também pode aumentar a prevalência de doenças na vida adulta, como câncer de pulmão”, diz ela. Quem compra fortificante sem prescrição médica corre ainda outro risco, o de mascarar sintomas de males, como alguns tipos de tumores infantis.

E o que também é grave: pode levar para casa fórmulas que aliam as vitaminas a um anti-histamínico. “Esses remédios, utilizados em casos de alergia, atuam no sistema nervoso central e apresentam o aumento da vontade de comer como efeito colateral transitório. Só que, além disso, causa sonolência, distúrbios do humor, perda da capacidade de concentração e, conseqüentemente, prejuízo no desempenho escolar”, adverte o pediatra Roberto Bittar, do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

O presidente do Conselho Administrativo da Astir, SGT PM RR Fábio Macedo alerta os pais que toda e qualquer ingestão de medicamentos, sem receituário médico, pode causar danos à saúde, de conformidade com informações do Ministério da Saúde.  “No ambulatório da Astir você tem a disposição, para consulta, médicos pediatras, clínicos geral, nutricionista e endocrinologista, dessa forma é melhor levar ao médico”, disse Fábio. “Os telefones para contato na recepção são: 3223 3686 e celular funcional Claro 9 9285-6131”, nosso pessoal está apto para te atender e encaminhar para o profissional médico, finalizou.

Por Redação M de Mulher
access_time16 mar 2017, 11h31 – Publicado em 10 set 2013, 22h00
(Foto: Flavia Pinho/SAÚDE é Vital) – destaque

Fonte: https://saude.abril.com.br/familia/estimulantes-de-apetite-para-criancas/
Distribuição, adaptação e edição de texto: Wilson Souza
Formatação e publicação: Stanley Monteiro
Legenda foto: SGT PM RR Fábio Macedo – Foto Wilson Souza
Imagens: Meramente ilustrativas (Google)

Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico, diagnóstico ou afirmação da Astir. Você deve sempre consultar o seu médico ou profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO ou SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte. (Nota da assessoria de imprensa)

Esta notícia foi visualizada 175 vezes