ASTIR - Associação dos Policiais Militares e Bombeiros Militares do Estado de Rondônia DICA DE SAÚDE – DOENÇAS DO COURO CABELUDO DERMATITE SEBORREICA
Home / Notícias / Dicas de Saúde / DICA DE SAÚDE – DOENÇAS DO COURO CABELUDO DERMATITE SEBORREICA

DICA DE SAÚDE – DOENÇAS DO COURO CABELUDO DERMATITE SEBORREICA

Popularmente conhecida como caspa, a dermatite seborreica caracteriza-se por uma oleosidade excessiva (seborréia) no couro cabeludo, seguida por inflamação e descamação.

A inflamação (irritação) produz uma vermelhidão e sensibilidade no couro cabeludo, enquanto a descamação pode variar de finas escamas (lembrando polvilho) à intensa, formando crostas, muitas vezes aderidas, e que ao serem removidas deixam o couro cabeludo ferido. Pode associar-se à alopecia androgenética, acelerando a perda capilar. O stress é um dos mais importantes fatores desencadeantes desse quadro. Outro fator é o aumento do número de fungos usuais (p. Ovale) do couro.

Foto meramente ilustrativa – Internet

Para o tratamento dessa doença do couro cabeludo, utilizam-se xampus antiinflamatórios, antifúngicos, normalizadores da descamação ou tudo isso associado.

O xampu deve ser usado diariamente para uma eficaz remoção da oleosidade e impurezas do couro cabeludo que causam a dermatite seborréica (caspa). Lave o couro cabeludo duas vezes seguidas com a polpa dos dedos (evite as unhas), sendo que na segunda vez deixe agir por 2 minutos. Use água morno-fria. Enxágüe bem e após secar com a toalha, use o secador de cabelo (morno) para remover o excesso de umidade. Prefira os secadores profissionais pois produzem mais vento que calor. Nunca durma com os cabelos molhados ou coloque touca, boné ou capacete com o cabelo úmido pois favorece um ambiente quente e úmido para desenvolver os fungos, que desencadeiam a dermatite seborreica.

Pode-se ainda fazer aplicações de LED (luz emitida por diodo), que tem ação antiinflamatória, gomagem (uma espécie de peeling capilar) e aplicação de luz UVA.

PSORÍASE

Essa doença de pele é associada à herança genética, com localização mais freqüente nos joelhos e cotovelos, mas também pode acometer o couro cabeludo, onde muitas vezes é confundida com a dermatite seborreica. Leva à uma descamação intensa e esbranquiçada, seca e aderente que ultrapassa os limites do couro cabeludo, diferentemente da dermatite seborréica.

Melhora com a exposição solar e tratamento adequado que inclui xampus à base de alcatrão e ácido salicílico, que tem ação queratolítica (ou seja, afinam a pele), loções de corticoesteróides (anti-inflamatorio) de aplicação tópica e infiltrações nos locais mais persistentes das placas. Outras opções terapêuticas para os casos mais graves ou intensos incluem a tomada de comprimidos de acitretina, um derivado da vitamina A e PUVA.

ALOPÉCIA AREATA

É uma doença auto-imune, em que o corpo reconhece como inimigas as próprias células, destruindo-as. Pode haver perda de cabelos em clareira, perda dos pêlos da barba, das pernas e até mesmo das sobrancelhas e cílios, tudo em forma de círculo. A alópecia areata, pode estar associada a outros problemas da pele, como vitiligo, ou a outros problemas orgânicos, como alterações da glândula tireóide. Para este tipo de doença do couro cabeludo, ainda não há um tratamento específico e que seja realmente eficaz.

TINHA DO COURO CABELUDO

Essa doença do couro cabeludo é causada por diferentes fungos, que provocam perda de cabelo localizada. Há o surgimento de placas, que podem ficar inflamadas e até infeccionar. O tratamento é simples – basta tomar antibióticos orais –, desde que o problema seja descoberto precocemente. Caso contrário, pode haver perdas permanentes de cabelo, principalmente quando a inflamação é exagerada.

LÍQUEN PLANO PILAR

Manifesta-se pela vermelhidão e descamação do couro cabeludo, acompanhada de pequenas bolinhas arroxeadas. Se não for tratado rapidamente, leva a uma perda permanente dos cabelos no local, chamada de alopecia cicatricial. Essa doença do couro cabeludo mais comum em mulheres de meia-idade.

FOLICULITE QUELOIDIANA DA NUCA

Trata-se de uma infecção crônica dos folículos pilosos. Nos casos mais graves, pode deixar fibroses ou cicatrizes do tipo quelóide. Essa doença do couro cabeludo ocorre mais freqüentemente em homens com tendência a acne.

PSEUDO – PELADA DE BROCQ

É o processo final comum a alguns tipos de alopecia: sem tratamento, pode haver um afinamento (atrofia) da pele do couro cabeludo, o que impossibilita qualquer tipo de restauração capilar.

DESORDENS GENÉTICAS

Acometem principalmente crianças, muitas vezes desde o nascimento o que, felizmente, são bem raras.

TRICORREXE NODOSA

Defeito estrutural do cabelo, que faz com que o cabelo se quebre facilmente. Foto: Doença que deixa o cabelo frágil, quebrando-se facilmente.

TRICODISTROFIA

Os cabelos, cílios e sobrancelhas são curtos e quebradiços. Para o seu diagnóstico, devem ser analisados a presença de enxofre e de aminoácidos nos fios.

PILI TORTI

Alteração estrutural dos cabelos, em que os fios ficam quebradiços e torcidos. É sintoma de algumas síndromes.

TRICORREXIS INVAGINATA

Os cabelos têm o aspecto similar ao de um bambu. Pode estar associada a doenças genéticas em que, concomitantemente, são encontrados problemas como o ressecamento excessivo da pele.

MONILETRIX

Os cabelos são quebradiços e finos e originam-se de pequenas bolinhas com cascas no couro cabeludo.

SÍNDROME DOS CABELOS IMPENTEÁVEIS

Surge entre a infância e a adolescência. Os cabelos têm crescimento lento, coloração prateada e são frágeis, o que torna praticamente impossível obter um aspecto ordenado.

NÃO SERÃO APRESENTADAS FOTOS DAS PATOLOGIAS (DOENÇAS), NESTA APRESENTAÇÃO DEVIDO SEREM IMAGENS QUE POSSAM CAUSAR ALGUM TIPO DE MAL ESTAR.  APENAS O MÉDICO OU PROFISSINAL DE SAÚDE ESPECIALIZADO ESTÁ APTO A ACESSAR ESSAS IMAGENS. 

Fonte: http://www.cabelo.med.br/tratamento-capilar/doencas-do-couro-cabeludo/

Transcrição, distribuição de texto e edição: Jornalista Wilson Souza

Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico ou diagnóstico. Você deve sempre consultar o seu médico ou profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO OU SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte.