DICA DE SAÚDE – Como escolher frutas, legumes e verduras? Os perfeitos são perigosos…

Marcelo Testoni Colaboração para o UOL, em São Paulo 18/08/2017 04h00

Ao comprar frutas, verduras e legumes, fiquem de olho nas consistências, texturas, cores e até cheiros para se certificar de que o que está levando para casa está bom para consumo. As chances de acertar são maiores quando os produtos são os da estação, mas cada um tem suas particularidades. Veja dicas e truques simples para uma boa compra.

Imagem: Getty Images

  1. Verduras

Folhosas e flores frescas não amadurecem fora do pé, apenas entram em decomposição. Ao escolhê-las, prefira as de estrutura mais firme e coloração verde vivo, sem manchas amarronzadas ou bordas queimadas ou desbotadas.

Alface: Tanto a lisa como a crespa dão sinais de frescor quando suas folhas estão menos rígidas e mais fechadas. Por ser mais abertinha, a alface americana deve ser escolhida pela cor e tamanho de suas folhas, que devem ser claras e uniformemente medianas.

Alcachofra: As pétalas precisam estar bem juntinhas. Quando estão espaçadas, fica amarga e dura demais. Quanto ao talo, se estiver maleável, é porque a alcachofra está pronta para comer. Marcas escuras no buquê revelam deterioração.

Espinafre: Teste se a hortaliça está muito imatura amassando de leve suas folhas. Se o som for quebradiço, mau sinal. Prefira os arranjos mais verdes, com folhas hidratadas e caules durinhos.

Brócolis e couve-flor: Nos dois tipos, os botões abertos e os talos moles mostram que essas verduras não estão mais consistentes e nem frescas. Os melhores e mais saborosos são superficialmente mais verdinhos. Tons amarelados, roxos ou brancos denunciam velhice ou presença de bolor.

Repolho: Uma aparência viçosa é sem as folhas de fora muito separadas, murchas ou rasgadas. Nessas condições, revelam que o repolho está velho ou foi mal armazenado.

Imagem: Getty Images

  1. Legumes e tubérculos

Entre todos os vegetais, esses costumam ser os mais fáceis de escolher. Preste atenção nas texturas das cascas dos legumes, que devem ser lisas, sem partes meladas e sem feridas. Em relação aos tubérculos, o formato não importa tanto, mas a casca deve ser firme e sem manchas ou rugas.

Cenoura, quiabo e pepino: Devem estar uniformes e com as cascas firmes. Ao comprar cenoura e quiabo, se estiverem muito crescidos, provavelmente, estão endurecidos, ruins de preparar – para testar, tente entortá-los ou quebrar suas pontinhas. Já os melhores pepinos são os menores e mais finos. Se, ao apalpar, for possível sentir as sementes pela parte externa, é sinal de que já passaram do ponto.

Batata e mandioquinha: No ponto certo, parecem rígidas, mas são macias ao serem apertadas com os dedos. O estado maleável permite que sejam cozidas e soltem as cascas depressa. Fuja dos esverdeados, rugosos e com brotos nascendo. Prefira as mais lisinhas e amarelas.

Cebola: Por ter a casca fina, é suscetível a machucados externos, que, se ficarem escuros ou pegajosos, alertam sobre infecções por parasitas e bactérias. As de boa qualidade são as que estão bem firmes e revestidas com uma casca escura, que as conserva melhor.

Tomate: Não pode estar amassado e nem com furinhos, pois a polpa perde o sumo e acaba atraindo insetos com mais facilidade. Priorize os que tenham talo, que protege o alimento de contaminações, e que exalem um odor não muito forte, pois são os mais saborosos.

 

Abobrinha e berinjela: As cascas são delicadas e precisam estar lisas, sedosas e com a cor por igual, sem cicatrizes ou avarias. Sinta esses legumes apalpando-os, mas sem apertar: o peso deve ser leve, embora sejam bem sólidas.

  1. Frutas

Para descobrir as que estão no ponto certo analise a coloração, textura, aroma e simetria. As cascas não devem ser perfeitas e nem muito brilhantes, pois esse é o aspecto de frutos que receberam produtos químicos. Já o cheiro dá pistas das que estão maduras ou apodrecendo.

Manga, mamão e pêssego: Quando estão bem maduros, apresentam casca macia e em tons alaranjados. Também cheira doce, mas se o odor for forte indicam que já estão ficando passados ou mofados. Se forem comprados verdes, para acelerar o amadurecimento, mantenha-os em temperatura ambiente e coloque entre eles uma banana madura. No ponto para consumo, a banana exala gás etileno, que ao ser absorvido pelas fibras das frutas precoces, amacia e adoça suas polpas.

Maracujá e abacate: Eles são climatéricos – ou seja, depois de colhidos continuam a amadurecer. Quando estão prontos para consumo ficam pesados, indicando que apresentam mais polpa. Para saber se o peso do abacate corresponde mais ao tamanho do caroço, sacuda-o. Se sentir algo solto por dentro, significa que o fruto ainda vai encorpar e amadurecer.

Maçã e pera: A aparência saudável de ambas é levemente reluzente e simétrica, nada comparáveis às que recebem agrotóxicos em excesso e são perfeitas, graúdas e muito brilhosas. Além disso, a base dos cabinhos das frutas “envenenadas” fica esbranquiçada. Se possível, dê preferência às versões orgânicas, que se desenvolvem naturalmente e são atestadas com o selo “Produto Orgânico Brasil”.

Laranja, kiwi e limão: No caso das frutas cítricas, quanto mais pesadas, melhor. O motivo? Indicam que estão hidratadas e com bastante suco. Já as cascas, se estiverem bem lisas e finas, como se tivessem esticado, demonstram que os frutos atingiram o tamanho máximo e estão bem menos ácidos.

Banana e goiaba: Quando estão bem maduras, têm seus amidos transformados em açúcar – daí seus odores adocicados inconfundíveis. Não as refrigere: caso contrário, as bananas escurecem e as goiabas perdem o sabor. Se apanhar um cacho de banana semi-amarelo, troque-o por um todo esverdeado, assim todas as unidades amadurecem por igual.

Abacaxi e uva: Devem possuir cabinhos ou coroas verdes – se forem escuros, indicam que estão envelhecidos. A uva pode ser guardada na geladeira; quanto mais lisa a sua casca, mais madura e doce ela está. No caso do abacaxi, se as folhas da coroa se desprender com facilidade ou se o fruto apresentar contornos alaranjados é sinal que já pode ser comido.

Fontes: Giovana Guerra, nutricionista da Hortigil Hortifruti; Maria Elisa Yaemi, nutricionista da rede de hospitais São Luiz; e Associação Comercial dos Produtores e Usuários da Ceasa (Acegri) 

https://comidasebebidas.uol.com.br/noticias/redacao/2017/08/18/em-feiras-ou-mercados-vegetais-de-aparencia-perfeita-sao-perigosos.htm

Fotos: Getty Images

Transcrição, distribuição, adaptação e edição de texto para o site da Astir: Wilson Souza

Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico. Você deve sempre consultar o seu médico ou profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO OU SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte. 

Esta notícia foi visualizada 17 vezes