DICA DE SAÚDE – Micose é fácil de pegar e chata de tratar; veja tipos mais comuns

Infecções causadas por fungos, às micoses são problemas de saúde comuns. Esses microorganismos existem no corpo humano e no meio ambiente e vivem em locais úmidos. Todos sofrem de micose pelo menos uma vez na vida e pode acontecer por vários fatores.

“São muitas e variadas as doenças da pele e, na maior parte das vezes, existem causas específicas que são responsáveis pelo seu aparecimento. Mas é verdade que estresse, má alimentação, queda do estado imunológico e falta de cuidados com a higiene podem agravar os problemas”, diz a dermatologista Bianca Wiedemann.

Apesar de não oferecer risco à vida e geralmente ser um problema localizado, a micose pede tratamento cuidadoso. Conheça um pouco mais sobre a doença, veja os tipos mais comuns, como evitar contrair e como cuidar.

O que é 

Segundo a dermatologista Bianca Wiedemann, micose é o nome mais popular para denominar as infecções causadas por fungos. Existem diferentes e variados tipos de fungos que podem causar infecções em diversas partes do corpo recebendo, assim, um determinado nome de acordo com a localização. Fungos são encontrados em todos os ambientes, inclusive no organismo humano. Mas em geral, ficam localizados sobre as células mortas e, por isso, não causam problemas na maior parte do tempo. Mas há situações nas quais eles conseguem penetrar na pele, causando infecções. Em geral, as infecções por fungos atingem áreas mais úmidas e ricas em queratina, como couro cabeludo, entre os dedos e virilha. Fungos dificilmente causam lesões no corpo todo. Aparecem em partes localizadas. Podem ser espalhados devido à falta de tratamento ou manualmente, se a pessoa coça a região, por exemplo, e passa a mão em outra área do corpo.

Mais comuns

As micoses mais comuns na pele são a tinha cruris (principalmente nos homens) e a tinha pedis, que quando localizada entre os dedos dos pés é popularmente chamada de frieira. São mais comuns no verão, devido à maior produção de suor e ao clima quente e úmido. De maneira geral, áreas do corpo que produzem e acumulam mais suor ficam mais vulneráveis principalmente às infecções por fungos, uma vez que ambientes aquecidos e úmidos favorecem à proliferaçao dos mesmos. Nos homens, é mais comum o aparecimento de micoses na região das virilhas, períneo e região perianal, chamadas de tinea cruris. As mulheres, principalmente aquelas que realizam atividades domésticas e que lidam com água várias vezes ao dia, são mais propensas a desenvolverem paroníquia, que é uma micose que acomete a pele ao redor das unhas das mãos, o popular “unheiro”.

Cuidados

A melhor forma de prevenir uma micose é cuidar da higiene e evitar a exposição a locais ou situações que possam favorecer a infecção. Micoses exigem tratamento prolongado e persistente, sob a orientação de um médico dermatologista.

É preciso seguir o tratamento pelo tempo prescrito pelo médico. Lesões costumam melhorar antes do fim do tratamento, o que dá a ilusão de que o problema foi curado. Mas quando o medicamento é interrompido, a tendência é o problema voltar. “O tratamento das micoses deve ser avaliado pelo dermatologista. Este tratamento pode ser exclusivamente tópico ou associado à ingestão de medicamentos antifungicos.

Normalmente “lançamos mão do medicamento oral para os casos mais graves e mais extensos em superfície acometida pela micose”, diz Bianca. Assim como em outros problemas de saúde, não pratique a automedicação. Devem-se evitar principalmente pomadas com cortisona. São bastante usadas, mas servem como alimentos para os fungos. Fungos estão presentes no ambiente, como em locais usados para brincadeiras. Portanto, não deixe a criança descalça por muito tempo, especialmente em tanques de areia, principalmente nas áreas mais secas, onde os fungos proliferam mais facilmente.

Como evitar

Entre os cuidados gerais que ajudam na prevenção está a manutenção da higiene pessoal, com a limpeza adequada do corpo. Além disso, deve-se secar bem o corpo após o banho, principalmente nas áreas de dobras, como região entre os dedos de mãos e pés, virilhas, axilas e região abaixo das mamas, esta última no caso das mulheres, pois ambientes aquecidos como as áreas de dobras e úmidos favorecem a proliferação de fungos. Não compartilhar utensílios de manicure ou pedicure. O ideal é que lixas de unhas e palitos sejam descartáveis. Micoses nas unhas podem se propagar através de lixas e palitos previamente usados e contaminados com fungos. Outro cuidado é o de não retirar a cutícula, que tem função protetora impedindo a entrada de fungos e bactérias. Veja alguns tipos em diferentes regiões do corpo:

Boca

Sapinho é a infecção mais comum. O termo é candidose, pois é causada pelo fungo cândida, que causa bolinhas brancas na boca ou fora dela. Existe no corpo, na boca, intestinos e órgão sexual feminino. Pode se desenvolver pelo contato com fungos do próprio corpo da pessoa ou por fungos de terceiros. Pode aparecer desde os primeiros dias de vida, portanto é fundamental ter cuidado com a higiene do bebê, desde o bico dos seios na hora da amamentação até o contato com pessoas e objetos. Quedas de imunidade também podem provocar o aparecimento do sapinho. O tratamento é feito com cremes no local. Existe uma outra versão da doença que aparece em adultos, principalmente na terceira idade, devido à flacidez da boca ou aparelhos mal colocados.

Couro cabeludo

O tipo de fungo mais freqüente que afeta a região é a tinha. Podem aparecer em pessoas de todas as idades e provavam queda dos fios na área afetada, acompanhada de descamação, vermelhidão e prurido. Pode ser contraída de outra pessoa ou de algum animal, principalmente os domésticos. Esse tipo de micose pode acometer a região da virilha ou entre os dedos, dos pés ou mãos. “Micoses do couro cabeludo, micoses da haste capilar, piolhos e lêndeas podem ser passados de pessoa à pessoa devido ao uso compartilhado de utensílios para cabelos”, diz a dermatologista Bianca Wiedemann.

Unhas

A micose mais comum que pode afetar as unhas é a onicomicose subungueal distal e lateral. Ocorre também nas unhas das mãos, porém é mais comum nas unhas dos pés. É caracterizado pelo descolamento da borda livre da unhas, geralmente iniciado por um dos cantos da unha, deixando esta área oca, o que pode levar à formação de uma maceração amarelada em baixo da unha onde há o descolamento. Para evitar o problema, deve-se ter certeza de que o material de manicure e pedicure devem ser esterilizados e lixas e palitos devem ser descartáveis. Também é importante evitar o uso de calçados fechados por longo período e usar chinelos em lava pés, em áreas ao redor de piscinas e em duchas coletivas.

Pés

A infecção conhecida como pé de atleta é causada por fungos que provocam tinhas, infecção que pode aparecer em outras áreas como couro cabeludo e virilhas. O tratamento é feito com antimicóticos de uso local. Uma simples descamação não caracteriza micose. O tratamento para a tinha dos dedos dos pés é prolongado, levando um mês ou mais, com aplicação de antimicóticos. Os pés devem ser mantidos secos, serem bem enxutos após o banho. Caso a região sue muito, é recomendado usar meias de algodão, deixar os pés arejando sempre que possível, bem como os sapatos.

Virilhas

Região mais úmida do corpo e que ainda fica coberta por roupas o dia todo. Quem pratica esportes, principalmente natação, tem maiores chances porque passa muitas horas em contato com roupa molhada. É chamada pelos médicos de tinha crural. Um médico deve receitar um antimicóticos de uso local. O tratamento é simples e deve ser mantido por duas ou três semanas para evitar que a micose se instale novamente. O problema é que, muitas vezes, é abandonado antes do tempo, porque a lesão costuma melhorar em dez dias e as pessoas acham que estão curadas. As roupas devem ser secas de preferência ao sol ou então ficar bastante tempo no varal para ficarem bem secas. E, se possível, passadas com ferro quente. Fungos gostam de ambientes úmidos, portanto corte o barato deles.

Tronco e costas

O corpo geralmente é acometido por pitiríase, lesões com descamação que atacam a pele onde é mais oleosa, como tórax e costas. Aparecem como manchas brancas, que normalmente são ignoradas pelas pessoas, o que pode levar ao aumento do problema. Quando a lesão não é muito extensa, indica-se tratamento local com antimicóticos associados ao uso de xampus especiais. Águas de piscina são fontes de contaminação, mas a água do mar, não. “É também conhecida como micose de praia, mas não é adquirida na praia. Apenas torna-se mais evidente durante o verão naquelas pessoas que já estão com esta micose e se expõem ao sol, deixando a pele acometida pelas lesões do fungo mais evidentes, pois as áreas com pitiríase versicolor não mudam de cor devido à exposição solar”, explica Wiedemann.

O diretor executivo da Astir, CB PM Alan Mota comunica os associados que o ambulatório disponibiliza profissional médico especialista em dermatologia as segundas e quartas-feiras a partir das 07h00min horas e às quintas-feiras a partir das 13h30min horas. As consultas são agendadas, nesse caso marque sua consulta pelo telefones 3223 3686 ou 9 92385 6137. Caso você não possa comparecer a consulta solicitamos a gentileza de desmarcar, finalizou Alan Mota.

Texto: Jornalista Wilson Souza/ https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/doencas-e-tratamentos/micose-e-facil-de-pegar-e-chata-de-tratar-veja-tipos-mais-comuns,7374f791a6bac310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Fontes: CB PM Alan Mota/ https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/doencas-e-tratamentos/micose-e-facil-de-pegar-e-chata-de-tratar-veja-tipos-mais-comuns,7374f791a6bac310VgnVCM20000099cceb0aRCRD.html

Imagem: Site da fonte – Gety imagens
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – Website

DICA DE SAÚDE – Excesso de carne com gordura eleva problemas de saúde

“Já é cultural do brasileiro consumir mais carne do que as necessidades nutricionais. Normalmente essas carnes têm gordura que, se consumida em excesso, não vai fazer bem à saúde. O objetivo para uma alimentação mais adequada e nutritiva, sem riscos, é consumir menos carne, ou seja, diminuir o tamanho da porção dessa proteína” ensina Fabiana Nalon, mestre em nutrição humana pela Universidade de Brasília (UnB).

o conjunto da população adulta estudada pela Vigitel, um terço (32,0%) das pessoas declarou ter o hábito de consumir carnes com excesso de gordura. Entre os homens, o número é de 43,1%, contra 22,5% das mulheres. As maiores freqüências do consumo de carnes com gordura entre homens foram observadas em Cuiabá (57,6%), Campo Grande (53,7%) e Palmas (51,2%).

Além de diminuir o consumo de carnes gordurosas, especialmente as carnes vermelhas, é fundamental aumentar o consumo de frutas e hortaliças. O recomendável é adicionar à alimentação itens que vão auxiliar o organismo a tratar a gordura de forma mais adequada. “As fibras das frutas e hortaliças diminuem a absorção da gordura pelo corpo. Se antes de consumir a carne você come uma salada, a maneira que organismo absorve essa gordura é diferente”, aponta Fabiana.

“O colesterol oxidado forma placas nas artérias – e os vegetais e as hortaliças possuem componentes para evitar a oxidação desse colesterol. Então, a pessoa precisa ter em sua alimentação verduras e legumes variados justamente para evitar problemas futuros”.

“Se você diminui a porção da carne, automaticamente consome menos essa proteína e menos a gordura. E devemos lembrar que a gordura, quanto mais cozida, pior. Por isso pedimos para evitar a fritura ou aquela carne bem passada e torrada”, acentua Fabiana.

O presidente do Conselho Administrativo da Astir, SGT PM RR Fábio Macedo orienta os associados a procurar atendimento especializado com as nutricionistas e médicos cardiologistas, clínicos gerais e endocrinologista no ambulatório da Astir. “Evite fazer dietas ou tomar qualquer tipo de medicamento sem receituário médico pode ser perigoso para sua saúde, de acordo com o Ministério da Saúde, finalizou.

Fontes: SGT PM RR Fábio Macedo/ http://saudebrasilportal.com.br/eu-quero-me-alimentar-melhor/destaques/1149-excesso-de-carne-com-gordura-eleva-problemas-de-saude

Adaptação, distribuição e edição de texto: Jornalista Wilson Souza
Imagem: Meramente ilustrativa
Formatação e publicação – Stanley Monteiro – Website

Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico ou diagnóstico. Você deve sempre consultar o médico que é o profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO OU SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte. (Nota da assessoria de imprensa)

NUTRIÇÃO – Astir mantém profissional especialista no refeitório

O executivo da Astir, CB PM Alan Mota informa que a Astir mantém profissional especializada em nutrição (nutricionista), no refeitório para assegurar a qualidade da alimentação fornecida aos pacientes, colaboradores e plantonistas.

Nilvana Vieira, nutricionista, é responsável pelo recebimento dos alimentos entregues pelos fornecedores, os quais são inspecionados minuciosamente, para atestar prazo de validade correto e a qualidade, os quais devem obedecer às normas técnicas estabelecidas. Em média são produzidas 70 refeições dia, disse Alan.

Nutricionista Nilvana Vieira – responsável pelo refeitório da Astir

Ela explica que a área de cocção (cozimento e preparação das refeições), segue um rígido controle de qualidade. Para os pacientes internados os cardápios são preparados de acordo com receituário médico e os mesmos recebem 6 refeições diárias como desjejum, lanche da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar, ceia da noite, ou seja, a cada 3 horas é oferecido ao associado acamado as refeições acima citadas.

“Quando há necessidade (por prescrição médica) de alimentação enteral (Dieta enteral é uma maneira de proporcionar ao seu organismo a nutrição que ele necessita. Trata-se de uma forma líquida de nutrição que é administrada por meio de um tubo flexível (sonda). Os nutrientes são similares aos que você obteria pelo consumo de alimentos, e também são digeridos da mesma maneira) executamos a elaboração dos nutrimentos prescritos. Os cardápios são semanais, salvo contra ordem médica, disse Nilvana.

De acordo com a nutricionista, é avaliado com rigor, o uso de equipamentos de proteção individual (EPI’S), preceituados pela técnica em segurança do trabalho, Ana Paula Alves, o que inclui os devidos cuidados com botijas de gás, eletricidade, máquinas e equipamentos utilizados pelos colaboradores do setor, evitando assim possíveis acidentes.

A técnica do trabalho fala que seu trabalho é conferir o uso correto dos EPI’s e a segurança em si do refeitório, tanto para os colaboradores do setor, como para os comensais.

O diretor executivo da Astir, CB PM Alan Mota fala que a área de cocção no restaurante é mantida sob um controle efetivo de qualidade diariamente. “As refeições produzidas são efetivamente inspecionadas pela nutricionista, finalizou.

Texto e fotos: Jornalista Wilson Souza
Fontes: CB PM Alan Mota/ Nutricionista Nilvana Vieira/Técnica do trabalho Ana Paula Alves
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – WEBSITE

Psicologia – Psicóloga da Astir orienta sobre os benefícios da Psicologia

Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano, diz psicóloga, Patrícia Honorato.

Psicologia é a ciência que busca entender o comportamento humano e o funcionamento mental. É o estudo do ser humano através de análise de suas emoções, idéias e sensações. Previne, diagnostica e trata do sofrimento emocional, doenças mentais e distúrbios de personalidade.

Observa e analisa as atitudes, sentimentos e os mecanismos mentais do paciente e procura ajudá-lo a identificar as causas dos problemas e a rever comportamentos que não são adequados, afirma a psicóloga Patrícia Honorato.

Ainda de acordo com Patrícia, a saúde mental dos pacientes é essencial para o equilíbrio de bem-estar geral.

Sintomas como imagem negativa do próprio corpo, se sentido mal sem saber por que, alteração do humor (depressão e euforia numa linha sinuosa), dificuldades de relacionamento social, tristeza repentina, falta de motivação para o trabalho ou outras atividades, alteração do sono como insônia, acordando várias vezes durante o mesmo, entre outros.

Psiquismo

A palavra PSIQUISMO refere-se ao estudo dos fenômenos ou dos processos mentais conscientes ou inconscientes de um indivíduo ou de um grupo de indivíduos.
O vocábulo PSICO tem origem grega “psyché”, que significa alma, espírito, intelecto.
Aristóteles usou a palavra “psique” para indicar o princípio vital específico de cada reino, chamando de Phitos ao reino vegetal, Zoos ao reino animal e Antropos ao homem. Cada um tem suas propriedades específicas e inconfundíveis.

“É de extrema importância que os familiares, amigos ou colegas de trabalho ao perceberem alteração comportamental da pessoa, devem estimulá-lo a procurar o médico (clínico geral, ginecologista, psiquiatra, clínico de plantão no Serviço de Pronto Atendimento (S.P.A) que será encaminhado para o atendimento psicológico”, disse Patrícia.

A Astir tem a disposição dos associados, serviços de profissionais psicólogas especializadas (Psic. Patrícia Honorato e Psic. Erlani Siqueira) como atendimento individual adulto, adolescente, infantil, familiar, casal, entre outros.

Estes serviços especializados estão disponíveis de segunda a sexta-feira, das 07h30min às 12h30min e das 14 às 18 horas, sendo que nos finais de semana e feriados fica uma profissional de sobre aviso apenas para urgências e emergências e são acionadas pela enfermeira chefe do plantão.

O diretor executivo da Astir, CBPM Alan Mota, comenta que havendo necessidade dos associados ou dependentes se consultarem com as profissionais de psicologia, devem se consultar com médico clinico geral, psiquiatra e outros que farão o encaminhamento para a Psicologia. Após a consulta médica agende na recepção do ambulatório seu atendimento junto a essas profissionais, as quais estão habilitadas para atender qualquer associado, sendo criança, infantil e adulto.

CB PM Alan Mota – Diretor executivo da Astir

Alan informa os associados que especialistas em psicologia atendem manhã e tarde no ambulatório da capital. Marque sua consulta tendo em mãos o encaminhamento médico.

“Essa administração preocupada com a saúde mental mantém em seu quadro, psicólogas, médicos psiquiatras entre outros, para melhor servir os pacientes, sempre buscando progressos constantes para melhor atender os associados, esta tem sido nossa missão”, disse Alan.

Fontes: Psicóloga Patrícia Honorato/ Alan Mota/ Arquivo
Texto: Jornalista Wilson Souza
Legenda foto – CB PM Alan Mota – Foto Jornalista Wilson Souza
Imagem – Meramente ilustrativa (Google)
Formatação e publicação – Stanley Monteiro

 

Leite materno – Alimento essencial ao bebê diz médica pediatra da Astir

A médica pediatra da Astir, Kátia Bastos, fala que o leite materno é essencial pro bebê e é a única e saudável fonte de alimento até os 6 meses de idade. Porém, em casos que a mamãe possa amamentar seu filho após o primeiro semestre deve fazê-lo.

Médica Kátia Bastos – Pediatra

Ela explica que logo após o nascimento da criança a mamãe segrega um liquido pelas mamas que é de suma importância para o recém-nascido, que é o colostro.

O COLOSTRO (APÓS O PARTO)

  • É a primeira e a melhor vacina que se conhece.
  • Tem um aspeto cremoso/viscoso e é de fácil digestão.
  • Tem uma função protetora do tubo digestivo do bebê.
  • Tem um efeito laxante que vai ajudar o bebê a expulsar o mecônio e a limpar do tubo digestivo.
  • Diminui o risco de icterícia no bebê (doença caracterizada pela pele amarelada).

O colostro é o primeiro leite materno produzido após o parto. É um líquido com uma consistência espessa e cor amarela ou transparente e, apesar de ser produzido em pequena quantidade, tem na sua constituição todos os nutrientes necessários para alimentar adequadamente o recém-nascido, ale disso reúne uma grande quantidade de proteínas e de agentes de defesa contra infecções como imunoglobulinas A, lactoferrina, células brancas (leucócitos), citoquinas, entre outros, facilitando, também, a digestão do bebê (cujo sistema está ainda em maturação após o nascimento) e a eliminação intestinal do bebê.

O LEITE DE TRANSIÇÃO (4-5 DIAS APÓS O PARTO)

Por volta do 4-5 dias após o parto, o colostro transforma-se no leite de transição com uma composição intermédia entre o colostro e o leite maduro.

De cor acinzentada, tem um aspeto aguado. A sua constituição química muda ao longo da mamada: no início tem vários nutrientes e no final possui maior teor de gordura vital para o bebê. A cor acinzentada e o aspeto aguado constituem um fator de preocupação para a maioria das mães mal informadas, porque pensam erradamente que o seu leite não é suficientemente bom para o bebê, acabando por desistir de amamentar.

O LEITE MADURO (15 DIAS APÓS O PARTO)

Cerca de 15 dias após o parto, o leite de transição evolui para o leite maduro, produzido em maior quantidade (uma vez que o bebê continua a crescer e a ganhar peso de forma acentuada). O aspecto muda, tornando-se mais denso e branco, e a composição química altera-se de acordo com as necessidades do bebê, o que torna o leite único.

Ao acompanhar o desenvolvimento do bebê, o médico pediatra fará as orientações necessárias à mamãe e se for o caso poderá receitar algum complemento vitamínico para genitora, mas ALERTA: Complexos vitamínicos aliados a uma alimentação rica e saudável se transformarão em rica fonte de alimento para o bebê, através do leite materno, contudo EVITE tomar qualquer medicamento sem receituário médico, o que pode causar erros de dosagem e até a indicação incorreta do medicamento, caso seja indispensável o pediatra poderá receitar também para o bebê. Assim sendo, consulte seu médico ginecologista ou o pediatra, disse a Doutora Kátia.

A Astir disponibiliza médicos pediatras e ginecologistas diariamente no ambulatório e no Serviço de Pronto Atendimento (S.P.A), 24 horas, 7 dias por semana, disse o diretor executivo CB PM Alan Mota.

Fontes: Dra. Kátia Bastos (pediatra)/CB PM Alan Mota/ https://www.maemequer.pt/a-vida-com-o-seu-bebe/pos-parto/puerperio/colostro-o-primeiro-leite-materno/

Texto: Jornalista Wilson Souza/ www.maemequer.pt/a-vida-com-o-seu-bebe/pos-parto/puerperio/colostro-o-primeiro-leite-materno/
Fotos: Jornalista Wilson Souza
Matéria reeditada.

 

 

EDITAL DE ABERTURA DO PROCESSO DE ELEIÇÃO DOS MEMBROS DA CIPA 2019/2020

A ASSOCIAÇÃO TIRADENTES DOS POLICIAIS MILITARES E BOMBEIROS MILITARES DO ESTADO DE RONDÔNIA (ASTIR), Porto Velho-RO. Convoca os seus funcionários a participarem do processo de eleição para concorrer aos cargos de membros Titulares e Suplentes da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes- CIPA, conforme determina a Norma Regulamentadora NR 05 (Portaria nº 3.214, de 08 de junho de 1978 e alterações).

CLIQUE AQUI PARA VISUALIZAR O EDITAL.

DICA DE SAÚDE – Boca seca, principais causas

A boca seca é caracterizada pela diminuição ou interrupção da secreção de saliva que pode ocorrer em qualquer idade, sendo mais comum nas mulheres idosas. A boca seca também chamada de xerostomia, assialorreia, hipossalivação, pode ter diversas causas e o seu tratamento consiste em aumentar a salivação com medidas simples ou com o uso de medicamentos sob orientação médica.

Imagem meramente ilustrativa – Site da fonte

A boca seca ao acordar pode ser um leve sinal de desidratação e por isso é recomendado que a pessoa aumente a ingestão de água, mas se o sintoma persistir um médico deverá ser consultado.

Causas comuns de boca seca

A saliva desempenha um importante papel na proteção da cavidade oral contra infecções por fungos, vírus ou bactérias, que causam cárie e mau hálito. Além de umidificar os tecidos da boca também ajudam na formação e deglutição do bolo alimentar, facilita à fonética e é essencial na retenção de próteses. Por isso, ao observar a presença de boca seca constante é importante ir numa consulta médica para iniciar o tratamento adequado.

As causas mais comuns de boca seca são:

1. Deficiências nutricionais

A falta de vitamina A e do complexo B podem ressecar a mucosa da boca e levar ao surgimento de feridas na boca e na língua.

Tanto a vitamina A quanto as do completo B podem ser encontrados em alimentos, como por exemplo, peixes, carnes e ovos. Saiba mais sobre as vitaminas do complexo B.

2. Doenças auto-imunes

As doenças auto-imunes são causadas pela produção de anticorpos contra o próprio organismo, levando a inflamação de algumas glândulas do corpo, como por exemplo a glândula salivar, levando ao ressecamento da boca devido à diminuição da produção de saliva.

Algumas doenças auto-imunes que podem levar à boca seca são o Lúpus Eritematoso Sistêmico e a Síndrome de Sjögren, em que além da boca seca, pode haver sensação de areia nos olhos e maior risco de infecções, como cáries e conjuntivite, por exemplo. Veja como identificar a Síndrome de Sjögren.

3. Uso de medicamentos

Alguns medicamentos também podem levar à boca seca, como por exemplo, antidepressivos, antidiuréticos, anti-psicóticos, anti-hipertensivos, anti-neoplásicos e remédios para o câncer.

Além dos medicamentos, a radioterapia, que é um tipo de tratamento que tem como objetivo eliminar as células cancerígenas por meio da radiação, quando realizada na cabeça ou no pescoço, pode causar boca seca e aparecimento de feridas na gengiva dependendo da dose de radiação.

 4. Problemas na tireóide

A tireoidite de Hashimoto é uma doença caracterizada pela produção de auto-anticorpos que atacam a tireóide e levam à sua inflamação, o que causa hipertireoidismo, que normalmente é seguido por hipotireoidismo. Os sinais e sintomas de problemas na tireóide podem surgir lentamente e incluir o ressecamento da boca, por exemplo.

5. Alterações hormonais

As alterações hormonais, principalmente na menopausa e durante a gravidez, podem causar uma série de desequilíbrios no organismo da mulher, inclusive diminuir a produção de saliva, causando o ressecamento da boca. Saiba tudo sobre a menopausa.

A boca seca na gravidez pode ocorrer devido a ingestão de água insuficiente, já que a necessidade de água no corpo da mulher aumenta nesse período, pois o corpo precisa formar a placenta e o líquido amniótico. Por isso se a mulher já bebia cerca de 2 litros de água por dia é normal que ela tenha que aumentar esta quantidade para cerca de 3 litros por dia.

6. Problemas respiratórios

Alguns problemas respiratórios, como desvio de septo ou obstrução das vias aéreas, por exemplo, pode fazer com que a pessoa passe a respirar pela boca ao invés do nariz, o que pode levar, ao longo dos anos, mudanças na anatomia do rosto e maior chance de ter infecções, já que o nariz não está filtrando o ar inspirado. Além disso, a entrada e saída constante de ar pela boa pode levar ao ressecamento da boca e o mau hálito. Entenda o que é síndrome do respirador bucal, causas e como tratar.

7. Hábitos de vida

Hábitos de vida, como fumar, comer muitos alimentos ricos em açúcar ou até mesmo não beber muita água podem causar boca seca e mau hálito, além de doenças graves, como o enfisema pulmonar, no caso do cigarro, e da diabetes, no caso do consumo excessivo de alimentos com muito açúcar.

A boca seca na diabetes é muito comum e pode ser causada pela poliúria, que é caracterizada pelo ato de urinar muito. O que se pode fazer para evitar a boca seca neste caso é aumentar a ingestão de água, mas o médico poderá avaliar a necessidade da troca dos medicamentos para diabetes, dependendo da gravidade deste efeito colateral.

O que fazer 

Uma das melhores estratégias para combater a boca seca é beber bastante água ao longo do dia. Veja no vídeo a seguir como pode beber mais água:

Além disso, o tratamento para boca seca pode ser feito de forma a aumentar a secreção da saliva, como por exemplo:

  • Chupar balas com superfície lisa ou chicletes sem açúcar;
  • Comer mais alimentos ácidos e cítricos porque eles estimulam a mastigação;
  • Aplicação de flúor no consultório dentista;
  • Escovar os dentes, usar fio dental e usar sempre um enxaguante bucal, pelo menos 2 vezes por dia;
  • O chá de gengibre também é uma boa opção.

Além disso, pode-se recorrer a saliva artificial para aumentar a ajudar a combater os sintomas da boca seca e facilitar a mastigação dos alimentos. O médico poderá indicar ainda medicamentos como sorbitol ou pilocarpina.

Outros cuidados importantes para evitar ficar com os lábios ressecados são evitar ficar passando a língua nos lábios, porque ao contrário do que parece isso resseca os lábios e para hidrata-los, experimentar usar protetor labial, manteiga de cacau ou batom com propriedades hidratantes. Confira algumas opções para hidratar os lábios.

Sinais e sintomas relacionados à boca seca

O sintoma de boca seca o tempo todo pode ser acompanhado ainda por lábios secos e rachados, dificuldades relacionadas à fonética, mastigação, degustação e deglutição. Além disso, pessoas que ficam com a boca seca de forma frequente têm maior propensão às cáries nos dentes, geralmente sofrem com mau hálito e podem ter dor de cabeça, além do aumento do risco das infecções bucais, causadas principalmente por Candida Albicans, pois a saliva também protege a boca contra micro-organismos.

O profissional responsável pelo tratamento da boca seca é o clínico geral, que poderá indicar um endocrinologista ou gastroenterologista dependendo das suas causas.

A ASTIR, diariamente, manhã e tarde, profissionais médicos atendem no ambulatório para maior comodidade dos pacientes. “Em caso de urgência e emergência pó associado deve ser encaminhado para o Serviço de Pronto Atendimento (SPA), que atende 24 horas, 7 dias por semana, com médico, equipe de enfermagem padrão, Hospital Tiradentes, leitos de observação, entre outros, disse Alan Mota”.

Fonte:  https://www.tuasaude.com/boca-seca/
Texto: Jornalista Wilson Souza/ https://www.tuasaude.com/boca-seca/
Formatação e publicação: Stanley Monteiro – Website
Foto: Jornalista Wilson Souza
Imagem: Meramente ilustrativa – Site da fonte

Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico ou diagnóstico. Você deve sempre consultar o médico que é o profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO OU SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte. (Nota da assessoria de imprensa)

Dentística – Cirugiã-dentista da Astir comenta

A cirurgiã-dentista, Juliana Miranda comenta sobre os atendimentos que realiza nas áreas de dentística e atualizações na pediatria.

Cirugiã-dentista Juliana Miranda

Cirugiã-dentista Juliana Miranda

Ela explica que Dentística ou odontologia estética é o ramo da odontologia que atua na área da cosmética e restauração dental. Entre outros serviços, os profissionais desta especialidade tratam de clareamentos dos dentes, uso de resinas diretas, peeling gengival, facetas, aplicação de flúor e restaurações estéticas.

O seu principal foco é a estética, ainda que a restauração de dentes também seja uma medida importante para a saúde individual, já que a permanência de cáries pode causar problemas a vários níveis, além de criar problemas na mastigação dos alimentos.

Pesquisa os vários tipos de preparações dentárias, a relação dos materiais restauradores com a estrutura dentária e o resto do organismo, técnicas restauradoras, etc. Tornando possível ao cirurgião-dentista restaurar de forma direta ou indireta a estética e a função dos dentes comprometidos.

Já as atualizações em odontopediatria incluem basicamente diversos temas baseados em evidências científicas para aprimorar o atendimento do paciente infantil, como segue:

– Conduta clínica e psicológica no atendimento de bebês e crianças.
– Primeira consulta: exame clínico, diagnóstico e plano de tratamento.
– Radiologia e interpretação de imagens.
– Diagnóstico e tratamento das alterações dentárias.
– Cárie dentária: Atualidades na realização do diagnóstico e decisão de tratamento.
– Erosão dentária: prevenção, diagnóstico e tratamento.
– Higiene e hábitos deletérios.
– Atualidades no uso do flúor.
– Dentística minimamente invasiva e materiais dentários.
– Protocolo clínico de terapia pulpar em Odontopediatria.
– Traumatismo dentário em crianças.
– Anestesia e técnicas cirúrgicas em tecidos moles.
– Odontopediatria hospitalar e terapêutica medicamentosa.
– Pacientes especiais.
– Orientação e tratamento da gestante.
– HMI: hipomineralização de molar-incisivo.
– Maloclusões na dentição decídua.

O SGT PM RR Debrando, gestor do complexo odontológico da Astir diz que garante a qualidade no atendimento odontológico da Astir Porto Velho e nos Pólos, com profissionais dentistas altamente gabaritados, como também, com técnicas de higiene bucal, treinadas e capacitadas e ainda matérias, instrumentais, medicamentos (anestesias e outros) adquiridos de fornecedores comprometidos com as propriedades exigidas pelo protocolo padrão da Astir, confirmou Debrando.

“Os profissionais dentistas atendem de segundas às sextas-feiras, manhã e tarde; Em caso de urgência e emergência o paciente deverá ser encaminhado ao Serviço de Pronto Atendimento, onde receberá o socorro médico e a enfermeira chefe irá contatar o cirurgião-dentista de sobre aviso”, disse Debrando.

O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota fala que o complexo odontológico da Astir está equipado com o que há de mais moderno em equipamentos e aparelhos, assim como, medicamentos, anestésicos e outros de uso restrito do profissional dentista, concluiu.

Fontes: Cirurgiã-dentista Juliana Miranda/ SGT PM RR Debrando

https://www.portaleducacao.com.br/conteudo/artigos/odontologia/o-que-e-dentistica/2641/ http://fapes.net/odontologia/cursos/atualizacao-em-odontopediatria/
Texto: Jornalista Wilson Souza e fontes
Foto: Jornalista Wilson Souza

 

Emergência – Médica da Astir relata patologias freqüentes no Serviço de Pronto Atendimento (SPA)

Médica Rivani Neves

 

Médica, Rivani Neves, do Serviço de Pronto Atendimento Astir relata patologias freqüentes de emergência.

DENGUE

O vírus da dengue é um arbovírus. São vírus transmitidos por picadas de insetos, especialmente os mosquitos. Existem quatro tipos de vírus de dengue (sorotipos 1, 2, 3 e 4). Cada pessoa pode ter os 4 sorotipos da doença, mas a infecção por um sorotipo gera imunidade permanente para ele.

O transmissor (vetor) da dengue é o mosquito Aedes aegypti, que precisa de água parada para se proliferar. O período do ano com maior transmissão são os meses mais chuvosos de cada região, mas é importante manter a higiene e evitar água parada todos os dias, porque os ovos do mosquito podem sobreviver por um ano até encontrar as melhores condições para se desenvolver.

Os principais sintomas da dengue são:

  • Febre alta > 38.5ºC.
  • Dores musculares intensas.
  • Dor ao movimentar os olhos.
  • Mal estar.
  • Falta de apetite.
  • Dor de cabeça.
  • Manchas vermelhas no corpo.

No entanto, a infecção por dengue pode ser assintomática (sem sintomas), leve ou grave. Neste último caso pode levar até a morte. Normalmente, a primeira manifestação da dengue é a febre alta (39° a 40°C), de início abrupto, que geralmente dura de 2 a 7 dias, acompanhada de dor de cabeça, dores no corpo e articulações, além de prostração, fraqueza, dor atrás dos olhos, erupção e coceira na pele. Perda de peso, náuseas e vômitos são comuns. Em alguns casos também apresenta manchas vermelhas na pele.

Na fase febril inicial da dengue, pode ser difícil diferenciá-la. A forma grave da doença inclui dor abdominal intensa e contínua, vômitos persistentes e sangramento de mucosas. Ao apresentar os sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados.

São sinais de alarme da dengue os seguintes sintomas:

  • Dor abdominal intensa e contínua, ou dor à palpação do abdome.
  • Vômitos persistentes.
  • Acumulação de líquidos (ascites, derrame pleural, derrame pericárdico).
  • Sangramento de mucosa ou outra hemorragia.
  • Aumento progressivo do hematócrito.
  • Queda abrupta das plaquetas.

Dengue tem cura?

A dengue, na maioria dos casos, tem cura espontânea depois de 10 dias. A principal complicação é o choque hemorrágico, que é quando se perde cerca de 1 litro de sangue, o que faz com que o coração perca capacidade de bombear o sangue necessário para todo o corpo, levando a problemas graves em vários órgãos e colocando a vida da pessoa em risco.

Como toda infecção, pode levar ao desenvolvimento Síndrome de Gulliain-Barre, encefalite e outras complicações neurológicas.

TRATAMENTO

Apenas o médico é o profissional habilitado para receitar medicamentos, orientar os pacientes sobre os cuidados.

A médica ALERTA: Não tome medicamentos por conta própria ou por indicação de terceiros, pode retardar a cura da dengue, bem como, ser perigosos para sua saúde, então EVITE.

SÍNDROME RESPIRATÓRIA AGUDA (O que é gripe (influenza))

A influenza ou gripe é uma infecção aguda do sistema respiratório, ocasionada pelo vírus influenza, com elevado potencial de transmissão. Inicia-se com febre, dor muscular, e tosse seca. Em geral, tem evolução por período limitado, em geral de um a quatro dias, mas pode se apresentar forma grave. O Sistema Único de Saúde (SUS) oferta a vacina que protege contra os tipos A e B do vírus.

A gripe propaga-se facilmente e é responsável por elevadas taxas de hospitalização. Idosos, crianças, gestantes e pessoas com doenças crônicas, como diabetes e hipertensão, ou imunodeficiência são mais vulneráveis aos vírus.

Um indivíduo pode contrair gripe várias vezes ao longo da vida.

 Clinicamente, a gripe (influenza) inicia-se com febre, em geral acima de 38°C, seguida de dor muscular e de garganta, prostração, cefaléia e tosse seca. A febre é o sintoma mais importante e dura em torno de 3 dias.Os sintomas sistêmicos são muito intensos nos primeiros dias da doença.

Com a sua progressão, os sintomas respiratórios tornam-se mais evidentes e mantêm-se em geral por 3 a 4 dias, após o desaparecimento da febre.

Adulto – O quadro clínico em adultos sadios pode variar de intensidade

Criança – A temperatura pode atingir níveis mais altos, sendo comum o achado de aumento dos linfonodos cervicais e também podem fazer parte os quadros de bronquite ou bronquiolite, além de sintomas gastrointestinais

Idoso – quase sempre se apresentam febris, às vezes, sem outros sintomas, mas em geral, a temperatura não atinge níveis tão altos.

Os demais sinais e sintomas da gripe (influenza) Olhos avermelhados e lacrimejantes são habitualmente de aparecimento súbito, como:

  • Mal estar.
  • Cefaléia.
  • Dor de garganta.
  • Dor nas juntas.
  • Prostração.
  • Secreção nasal excessiva.
  • Tosse seca.

 Podem ainda estar presentes na gripe (influenza) os seguintes sinais e sintomas:

  • Diarréia.
  • Vômito.
  • Rouquidão.

O diretor executivo da Astir, SGT PM Alan Mota fala da importância do paciente em não se automedicar, de acordo com as orientações médicas e o Ministério da Saúde. “Os protocolos medicamentosos só poderão ser realizados pelo profissional médico, pois em alguns casos a patologia tende a complicar o que pode levar o paciente a piora geral do quadro ou até mesmo colocar sua saúde, em geral, a todo tipo de risco, finalizou Alan.

Fontes: Médica Rivani Neves/ http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/dengue/ http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/gripe

Texto: Jornalista Wilson Souza/ http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/dengue/ http://portalms.saude.gov.br/saude-de-a-z/gripe

Foto: Jornalista Wilson Souza