Projetos sociais são debatidos em evento educacional na Escola Maria de Nazaré

Projetos sociais como tais como: Educação Vem de Berço, Recrear Cristal da Calama e orgulho do Madeira, Jiu Jitsu, Polícia Militar na Escola, Crack é possível vencer, Patrulha Maria da Penha e Vizinhança Segura, todos desenvolvidos pelo 5º Batalhão de Polícia Militar de Rondônia, foram temas de debates realizados no último sábado 13, durante evento realizado na escola estadual Maria de Nazaré, no Bairro Jardim Eldorado.

O evento social envolveu a comunidade escolar, uma faculdade particular e a população em geral, quando foi abordado o tema “Políticas Públicas”.

O Proerd foi apresentado aos participantes do evento, nas salas de aula que ficaram com o subtema: Políticas Públicas para a Segurança Pública de Rondônia.

O comandante do 5º BPM, major PM Glauber Souto, apresentou à professora Débora (coordenadora da pesquisa) e a três alunos, cada ação desenvolvida pela Unidade Operacional e os expressivos resultados que se tem alcançado pela Polícia Militar na área social, por conta da implementação dos projetos sociais.

No dia do evento, o Batalhão foi representado pela sargento PM Rosineide, que é responsável pela Patrulha Maria da Penha da Unidade.

Fonte: http://www.pm.ro.gov.br/index.php/institucional/noticias/7442-projetos-sociais-sao-debatidos-em-evento-educacional-na-escola-maria-de-nazare.html

Transcrição: Jornalista Wilson Souza

Na Capital, Proerd inicia atividades 2019 na escola Hélio Botelho a partir de segunda-feira, dia 18

A Escola Estadual de Ensino Fundamental Hélio Botelho, localizada no bairro Caladinho – zona Sul de Porto Velho será a primeira da Capital a receber as atividades do Programa Educacional de Resistência às Drogas e as Violências (Proerd) desenvolvidas este ano. A aula inaugural será realizada nesta segunda-feira, 18, a partir das 8 horas. Ao todo, mais de 40 escolas da rede estadual de ensino devem ser atendidas este ano pelo Programa. As atividades deste ano já iniciaram nos municípios de Jaru, Cacoal, Ji-Paraná, Presidente Médici, Ariquemes e Vilhena

Somente no primeiro semestre deste ano cerca de 6 mil alunos da rede estadual de ensino de Rondônia devem ser atendidos pelo Proerd. O Programa é um esforço conjunto da Polícia Militar do Estado de Rondônia com a Secretaria Estadual de Educação, visando contribuir com a redução do número de jovens envolvidos com drogas e com a prática de violência nas escolas e na comunidade.

Segundo explica o coordenador estadual do Proerd, tenente PM José Dias Neto, exatamente 273.507 estudantes em todo o Estado já foram atendidos pelo Programa Educacional de Resistência às Drogas e a Violência desde sua implantação, há 18 anos. No ano passado, por exemplo, 60 escolas foram contempladas com ações voltadas ao público infantil e, ainda, 98 escolas com alunos do 5º ano, e 13 instituições com estudantes do 7º ano.

As ações não param. Conforme ressaltou o coordenador do Proerd, este ano também há o objetivo de ampliar o número de escolas contempladas com o programa através de um novo curso com 30 vagas para instrutores contribuindo para aumentar o número de escolas atendidas, bem como promover o 1º Encontro de Instrutores visando nivelar as ações do Programa em todo o Estado. O oficial ressalta também que, no momento, 7 militares instrutores do Proerd estão realizando o Curso de Formação de Sargentos e, por esse motivo, não estarão atuando neste primeiro momento nas atividades nas escolas.

As atividades foram iniciadas e logo no primeiro semestre de 2019 a previsão é de que 6 mil alunos da rede estadual participem das palestras e, ainda, aprendam a respeitar o refrão da Canção do Proerd que diz: “Proerd é o programa. Proerd é a solução. Lutando contra as drogas. Ensinando a dizer não”.

De acordo com o cronograma desenvolvido para este ano, dentre os municípios que irão receber as ações do Proerd estão: Porto Velho, Guajará-Mirim, Ariquemes, Buritis, Jaru, Ouro Preto, Ji-Paraná, Presidente Médici, Cacoal, Vilhena e Alvorada D’oeste. O coordenador afirma que o Programa tem se destacado como um excelente meio de discussão de valores éticos e morais na comunidade estudantil.

“O Programa é pedagogicamente estruturado em lições, ministradas obrigatoriamente por um policial militar fardado; capacitado através de cursos que além da sua presença física em sala de aula como educador social, propicia um forte elo na comunidade escolar em que atua, estreitando o trinômio: Polícia Militar, Escola e Família”, comentou o tenente.

O Programa tem o objetivo de prevenir o uso de drogas através da (Prevenção Primária) e a violência entre estudantes, além de ajudá-los a reconhecer as pressões e as influências diárias que os tornam vulneráveis em uma fase ímpar de suas vidas.

O Programa possui como material didático o Livro do Estudante, para o 5º e 7º produzidos em parceria com a Seduc. O Programa é aplicado durante 10 encontros dentro das escolas públicas contribuindo diretamente com o aspecto preventivo.

Jornalista Paulo Ricardo Leal
Fotos – Dcoms
Fonte: http://www.pm.ro.gov.br/index.php/institucional/noticias/7380-na-capital-proerd-inicia-atividades-2019-na-escola-helio-botelho-a-partir-de-segunda-feira-dia-18.html
Transcrição: Jornalista Wilson Souza

MUNICÍPIO ALERTA PARA ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS

Incidentes envolvendo esses tipo de animais é comum em período de chuvas e enchentes.

Imagem – site da fonte

“Apesar da redução, nos números de janeiro deste ano em comparação ao mesmo mês de 2018, é preciso redobrar os cuidados, porque esses animais entram e se instala nos lugares mais improváveis possíveis”, alerta a coordenação municipal de acidentes por animais peçonhentos.

Em janeiro do ano passado, foram notificados 24 casos de acidentes, sendo 20 por serpentes, 3 por aranha e 1 por escorpião. Em janeiro deste ano, foram 12 casos, sendo 8 por serpentes, 3 por aranha e 1 ignorado.

Como prevenir

Mantenha seu quintal limpo e sem entulhos, assim os animais não terão onde se abrigar próximo a sua casa. Um ambiente limpo serve como barreira de proteção.

Não deixe resto de comida na pia ou em outros lugares da casa, isso atrai baratas e ratos, que servem de alimentos, atraindo os escorpiões, cobras, aranhas e lacraias.

Sempre verifique sapatos, roupas e toalhas antes de usá-los. Deixe as camas afastadas a uma distância de 10 a 15 cm das paredes. Sempre limpe embaixo e atrás dos móveis. Use luvas de couro nas atividades rurais, remoção de entulhos e jardinagem. Trabalhos em campo e roçados é importante o uso de botas longas de borrachas ou perneiras. Mais de 80% dos acidentes por serpentes ocorrem abaixo do joelho.

Cuidados

Em caso de acidentes, mantenha a pessoa calma, lave o local da picada com água e sabão, nunca faça torniquete e não coloque nada em cima do ferimento. Para esses acidentes o Centro de Medicina Tropical de Rondônia (Cemetron) é o hospital de referência.

Leve o acidentado ao serviço de saúde, o mais rápido possível, e tente identificar ou fotografar o animal envolvido no acidente, caso isso não exponha você a riscos. Acidentes com crianças e idosos requerem cuidados redobrados.

Telefones úteis:
Bombeiros 193
Vigilância em Saúde – 98473-7909
CIEVS – 3901-2835 –
Divisão de Zoonoses e Entomologia 3901-2874
Samu -192
Fonte: 015 – Comdecom

Fonte: https://www.newsrondonia.com.br/noticias/municipio+alerta+para+acidentes+com+animais+peconhentos/125674

Transcrição: Jornalista Wilson Souza

Todos os direitos autorais do site da fonte: https://www.newsrondonia.com.br/noticias/municipio+alerta+para+acidentes+com+animais+peconhentos/125674

SAÚDE: Presidente do Hospital de Amor busca parceria com a Assembléia Legislativa

ALE/RO 23 de Fevereiro de 2019 às 09h31min

Laerte Gomes recebeu o empreendedor filantropo e diretores do Hospital de Amor de Porto Velho.

Laerte Gomes (E) Henrique Prata (de costas (E) – Médico Jean Negreiros (de costas D) e integrantes da mesa

Em busca de parceria com a Assembléia Legislativa, o presidente do Hospital de Amor (antigo Hospital de Câncer de Barretos), Henrique Prata, esteve com o presidente da Casa de Leis, Laerte Gomes, em reunião com diretores do hospital, unidade de Porto Velho.

Ao lado da deputada Cássia Muleta (Podemos), Laerte Gomes ouviu Prata explanar sobre o desempenho da instituição que dirige e os resultados do Hospital de Amor de Barretos, um dos maiores centros de referência em oncologia do Brasil e mundialmente conhecido.

Além de Porto Velho, o Hospital de Amor tem unidades em Fernandópolis (SP) Jales (SP), Campinas (SP), Juazeiro (BA), Macapá (AP) e Campo Grande (MS), com vários alojamentos e casas de apoio para pacientes e acompanhantes.

Quem puder ajudar de um jeito, ajuda, quem puder ajudar de dois jeitos, ajuda também, o que buscamos é apoio para tocar esse barco”, disse Prata que defende uma mudança na política de isenção fiscal, para que haja uma diferenciação no tratamento de instituições que de fato são filantrópicas e de outras que, em sua análise, apenas buscam certificações com o objetivo de ter benefícios tributários.

Após ouvir o empreendedor filantropo, Laerte Gomes disse que irá sugerir aos demais deputados da Assembléia, que na próxima vinda de Henrique Prata a Porto Velho, uma caravana com todos os parlamentares da Casa faça uma visita ao Hospital de Amor da capital.

Precisamos levar todos os deputados para conhecerem de perto, na vida real mesmo, toda a estrutura que vocês têm e como funciona a gestão do Hospital de Amor. E com isso, buscarmos emendas de cada deputado para colocarmos em prol desse trabalho maravilhoso que o Henrique Prata faz pela nossa população, pelo nosso Estado de Rondônia”, disse o presidente.

“A única coisa que eu quero é essa parceria, essa aliança, porque sozinho a gente não toca um projeto dessa envergadura, com a tecnologia de ponta que mantemos no hospital hoje. Fazer, através do SUS, o que fazemos hoje aqui, nem a medicina privada não dá conta de competir com a gente, em nada, em nenhum serviço”, declarou Henrique Prata.

Laerte explicou que a Assembléia está passando por um período de readequação após a mudança para uma sede nova, segundo o presidente, muito maior estruturalmente e em todos os sentidos.

Eu não prometo nada que eu não possa cumprir. Esse ano vamos trabalhar com muita transparência e economia para vermos o que é possível fazer para atendermos projetos como o do Hospital de Amor. Acredito que a partir de outubro já podemos conversar. Já somos parceiros e queremos dar continuidade a esse trabalho, porém, no momento certo para podermos, de fato, contribuirmos”, concluiu o presidente.

Acompanhou Henrique Prata o diretor executivo do Hospital de Amor de Porto Velho, Jean Negreiros, a diretora administrativa, Raquel Keller, o advogado Odair Flausino e, a convite do presidente Laerte Gomes, o ex-secretário da SESAU, Carlos Eduardo Maiorquim e a ex-adjunta da pasta, Socorro Rodrigues da Silva.

Fonte: http://rondoniaovivo.com/politica/noticia/2019/02/23/saude-presidente-do-hospital-de-amor-busca-parceria-com-assembleia-legislativa.html

Adaptação e transcrição: Jornalista Wilson Souza

Texto: http://rondoniaovivo.com/politica/noticia/2019/02/23/saude-presidente-do-hospital-de-amor-busca-parceria-com-assembleia-legislativa.html

Foto: Site da fonte

 

 

 

 

 

 

DICA DE SEGURANÇA – Cuidados com o gás de cozinha

Saiba como usar o como usar o gás de cozinha de maneira segura para prevenir acidentes.

Imagem – Site da fonte

Os cuidados com o gás de cozinha começam logo após a compra do botijão. Quando receber o recipiente, verifique se ele está em boas condições. Não aceite botijões amassados, enferrujados ou com o lacre rompido, devolva ao fornecedor.

ATENÇÃO: Em caso de incidentes ligar para o Corpo de Bombeiros Militar do Estado de Rondônia, telefone 193, os quais são especialistas.

botijão de gás pode ficar dentro ou fora de casa, mas sempre em local ventilado, protegido do sol, da chuva e da umidade e longe de produtos inflamáveis, fontes de calor e faíscas.

Outra dica fundamental é usar os materiais corretos na hora da instalação do botijão de gás. Utilize somente equipamentos fabricados segundo os padrões técnicos de segurança.

A mangueira tem a função de levar o gás do botijão ou da instalação embutida na parede até o fogão. Ela deve ser feita em PVC transparente e ter uma faixa amarela com todas as informações do produto (aprovadas pelo INMETRO).

Para ajustar e fixar a mangueira ao fogão use somente às abraçadeiras, pequenos anéis que geralmente acompanham as mangueiras oficiais. Jamais use arame, fitas ou outros materiais que podem danificar ou até perfurar a mangueira e causar vazamentos.

Nunca passe a mangueira por trás do fogão. O calor danifica o plástico, o que aumenta o risco de vazamentos. Se a entrada do fogão precisar ser modificada, o ideal é chamar a assistência técnica do fabricante ou um profissional especializado no serviço.

O regulador de pressão serve para reduzir e controlar a pressão com que o gás sai do botijão para alimentar os queimadores. Já o registro, é um dispositivo que bloqueia o fluxo do gás do botijão para o fogão e deve permanecer sempre fechado quando o gás não estiver sendo usado. Depois de instalar o regulador, gire a “borboleta” usando apenas as mãos até ficar firme, jamais use ferramentas.

Evitando acidentes

Os vazamentos são as principais causas de acidentes com gás de cozinha. Eles podem provocar explosões, incêndios, queimaduras ou asfixia, por isso devem ser evitados através de medidas simples.

Após a instalação, um truque para saber se o gás está vazando é passar uma esponja com água e sabão sobre a junção do cano com o botijão e do cano com o fogão. O aparecimento de bolhas na espuma é um sinal de que a operação de instalação deve ser repetida.

Se mesmo assim o vazamento de gás persistir, não acione interruptores elétricos, não ligue aparelhos elétricos, não acenda fósforos ou isqueiros e não fume no ambiente. Leve o botijão para fora da residência e chame imediatamente a empresa que entregou o gás.

Fonte: https://www.dicasdemulher.com.br/cuidados-com-o-gas-de-cozinha/
Transcrição: Jornalista Wilson Souza
Imagem: Site da fonte

EM CASO DE DÚVIDAS LIGUE 193. CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE RONDÔNIA, o qual poderá ORIENTAR da maneira correta o procedimento a ser realizado.

Escrito por Deborah Busko

Proerd já atendeu mais de 270 mil alunos em Rondônia e quer ampliar o atendimento em parceria com a Seduc

O Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd) esteve em pauta na reunião de terça-feira (19) entre o secretário de Estado da Educação de Rondônia (Seduc), professor Suamy Vivecananda Lacerda de Abreu, e o coordenador estadual do Proerd da Polícia Militar de Rondônia, tenente PM José Dias Neto. O Proerd está implantado há 18 anos em Rondônia e o coordenador fez uma explanação das ações desenvolvidas pelo programa e apresentou as necessidades materiais para que haja prosseguimento do programa nas escolas da rede estadual de educação de Rondônia em 2019.

Hoje, o Proerd já atendeu mais de 270 mil alunos em Rondônia e quer ampliar o atendimento, visto que há um consenso quanto à necessidade de evitar o acesso dos alunos às drogas e à violência em torno dos estabelecimentos de ensino. Há consenso quanto a demanda da necessidade de um encontro dos instrutores do Proerd e os professores, como forma de aprenderem a lidar com questão legais que envolvem drogas, álcool e tabaco.

As demandas de materiais foram autorizadas pelo secretário Suamy e os responsáveis pela aquisição devem agilizar o processo de aquisição, visto que há necessidade do emprego do material, notadamente os materiais de expediente, camisetas, kits Proerd, e outros materiais permanentes.

O Proerd tem como base o Dare (Drug Abuse Resistance Education) e foi criado pela professora Rutty Hellen, em conjunto com o Departamento de Polícia da cidade de Los Angeles (EUA), em 1983 e atualmente está em 58 países.

No Brasil, o Proerd foi adotado em 1992, através da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro e a partir de 2002 se expandiu pelo Brasil. O Proerd é desenvolvido nas escolas públicas e particulares, no 5º e 7º ano do Ensino Fundamental, na educação infantil (Proerd Kids) e para adultos.

O programa é realizado por policias militares treinados e preparados para desenvolver o lúdico através de metodologia especialmente voltada para crianças, adolescentes e adultos. O objetivo é transmitir uma mensagem de valorização à vida, e da importância de manter-se longe das drogas e da violência.

No Proerd são reforçados a importância da amizade e supervisão dos pais com os filhos. Após quatro meses de curso as crianças recebem o certificado Proerd, ocasião que prestam o compromisso de manterem-se afastados e longe das drogas e da violência.

Da reunião participaram também os instrutores do Proerd, sargentos PM´s José Aparecido Gomes e Cleyton Gomes de Melo, além da diretoria Geral de Educação da Seduc, professora Irany Oliveira, da gerente de Educação Básica, Rosana Seitz Magalhães, a gerente de Gestão Escolar da Seduc, professora Elizabeth Matia de Siqueira , a chefe do Núcleo do Programa Saúde na Escola, Vitória Regia Mustafá, e a técnica pedagógica Josenice Nara Amorim.

Fontes: Secom – jornalista Antônio Queiroz/ http://www.pm.ro.gov.br/index.php/institucional/noticias/7328-proerd-ja-atendeu-mais-de-270-mil-alunos-em-rondonia-e-quer-ampliar-o-atendimento-em-parceria-com-a-seduc.html

Transcrição: Jornalista Wilson Souza

 

AVC – Causas, riscos e prevenção

Por G1, São Paulo 29/08/2017 10h41  Atualizado 30/08/2017 09h08

O AVC é a quarta doença que mais mata no Brasil e é a que mais causa incapacidade no mundo.

O AVC é a quarta doença que mais mata no Brasil e é a que mais causa incapacidade no mundo. Existem dois tipos de acidente vascular cerebral: o isquêmico, que é quando um coágulo bloqueia o fluxo sanguíneo no cérebro, e o hemorrágico, causado pelo rompimento de um vaso. Saber o tipo de AVC que a pessoa está tendo é fundamental para dar início ao tratamento.

Foto meramente ilustrativa – Internet

O Bem Estar desta terça-feira (29) convidou o cardiologista e consultor Roberto Kalil e a neurologista do Hospital das Clínicas de Porto Alegre e membro da ONG Rede Brasil AVC Ana Claudia Souza para falar sobre o AVC, riscos e como se prevenir.

Conheça a campanha “A Vida Conta – Cada minuto faz diferença”, que visa conscientizar a população, sobre a importância do rápido atendimento ao paciente que está sofrendo um AVC

Apesar do nome ‘acidente’, o AVC é o desfecho de uma série de fatores de risco que podemos controlar e que agridem ou sobrecarregam os vasos do órgão que comanda nosso corpo, o cérebro. E o que pode colaborar para o acidente vascular cerebral? Muito sal, açúcar e gordura, sedentarismo, diabetes e pressão descontrolados, fumo e estresse.

Doenças do coração, especialmente as que produzam arritmias, aumentam o risco de AVC. As arritmias provocam uma corrente sanguínea irregular e facilitam a formação de coágulos sanguíneos dentro do coração, que podem chegar pela circulação dos vasos do cérebro, diminuindo o fluxo sanguíneo e causando o AVC. Alguns exemplos de doenças são: infarto, fibrilação atrial, doenças nas válvulas, cardiopatia chagásica.

O AVC gera uma dor de cabeça súbita e muito forte, mas os sinais diferencias são alterações nos movimentos e cognição. Quanto mais rápido o resgate, menor o risco de danos ao cérebro. Os médicos alertam para fazer o teste SAMU:

– Sorriso (peça para a pessoa sorrir. Veja se um lado do rosto não mexe)
– Abraço (veja se a pessoa consegue elevar os dois braços como se fosse abraçar ou se um membro não se move)
– Música (veja se a pessoa repete o pedacinho de uma música ou se enrola as palavras)
– Urgente (chame o 192, serviço de urgência)

 

Fonte: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/avc-causas-riscos-e-prevencao.ghtml

Texto: transcrição, adaptação, distribuição e edição: Wilson Souza/http://g1.globo.com/bemestar/noticia/avc-causas-riscos-e-prevencao.ghtml

Imagens – Meramente Ilustrativas – Internet

NÃO SERÃO APRESENTADAS FOTOS DAS PATOLOGIAS (DOENÇAS), NESTA APRESENTAÇÃO DEVIDO SEREM IMAGENS QUE POSSAM CAUSAR ALGUM TIPO DE DÚVIDA.  APENAS O MÉDICO, QUE É O PROFISSINAL DE SAÚDE ESPECIALIZADO APTO A ACESSAR ESSAS IMAGENS, SOLICITAR EXAMES, CONSULTAR CLINICAMENTE O PACIENTE ENTRE OUTRAS PROVIDÊNCIAS – NÃO DEIXE DE CONSULTAR SEU MÉDICO.  

“O MINISTÉRIO DA SAÚDE ALERTA: OS PORTADORES DE HIPÉRTENSÃO, PROBLEMAS CARDIOVASCULARES, OBESIDADE MÓRBIDA, DIABETES, FUMANTE, STRESS, E OUTRAS PATOLOGIAS QUE DEPENDAM DE DIETA ESPECÍFICA, OU MEDICAMENTOS DE USO CONTÍNUO, DEVEM PROCURAR O MÉDICO, O QUAL PODERÁ ENCAMINHAR PARA NUTRICIONISTA OU NUTRÓLOGO”.

Não considere quaisquer informações apresentadas nesta apresentação como aconselhamento médico ou diagnóstico. Você deve sempre consultar o seu médico ou profissional de saúde qualificado e especializado, antes de seguir qualquer TIPO DE ACONSELHAMENTO OU SE AUTOMEDICAR baseado nessas dicas. A Astir, não se responsabiliza pelo conteúdo do texto da fonte.

O que está por trás da explosão de casos de HIV entre jovens

Na última década, número de infecções entre pessoas de 15 a 24 anos saltou 700%; especialistas condenam ‘moralismo’ de setores conservadores, que tem atrapalhado campanhas.

Salvador Corrêa, portador do vírus HIV, narrou sua vida como soropositivo em blog, depois transformado em livro e peça: para ele, falta de campanhas impulsionou maior número de casos Foto: Gabriel Monteiro / Agência O Globo

RIO – Entre 2007 e 2017, a notificação de casos de HIV de pessoas com 15 a 24 anos aumentou aproximadamente 700%. Muitos especialistas e ativistas acreditam que há certo moralismo por trás dessa explosão de ocorrências.

— O jovem não usa mais camisinha, mas o discurso não deve ser restrito a isso. É fato que as campanhas e o debate têm sido silenciados por forças conservadoras — diz Salvador Corrêa, que recebeu o diagnóstico de HIV aos 27 anos, passou a escrever sobre o isolamento social que viveu depois disso e reuniu seus textos no e-book “O segundo armário”.

O diretor-presidente da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia), Richard Parker, não usa meias palavras: para ele, o Brasil vive uma nova epidemia de HIV.

Clique aqui para ler o que Parker e outros três especialistas na área acreditam que esteja causando esse cenário, tempos depois de o vírus parecer bem controlado no país.

Fontes: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/o-que-esta-por-tras-da-explosao-de-casos-de-hiv-entre-jovens-23459399/ Isabela Aleixo* e Renato Grandelle/ 17/02/2019 – 08:03 / Atualizado em 17/02/2019 – 09:02
Transcrição: Jornalista Wilson Souza

 

OUVIDOS: Audição de mais de 1 bilhão de jovens está ameaçada, alerta OMS

Entidades apresentam novos padrões para que empresas possam controlar volume de som em celulares e aparelhos.

Mais de 1 bilhão de jovens no mundo corre o risco de desenvolver problemas auditivos diante de uma exposição prolongada e excessiva a sons em volume alto, principalmente por meio de fones de ouvido. O alerta é da Organização Mundial da Saúde (OMS) que, nesta semana, publica novos padrões para a produção de produtos tecnológicos que, segundo a entidade, estão contribuindo para a atual situação. A estimativa é de que o risco atinge 50% da população entre 12 e 35 anos de idade.

Em um projeto que colocou lado à lado a OMS e a União Internacional de Telecomunicações, especialistas do setor de saúde e de tecnologia estabeleceram parâmetros para que a indústria siga, inclusive na produção de celulares, smartphones e outros aparelhos.

Hoje, cerca de 5% da população mundial, aproximadamente 466 milhões de pessoas, tem problemas auditivos, com um custo anual para a economia global de US$ 750 bilhões. Até 2050, a estimativa é de que esse número supere a marca de 900 milhões de pessoas.

Na avaliação da OMS, porém, chegou o momento de que padrões sejam adotados. A recomendação é para que as empresas passem a colocar opções de limite automático de volume nos aparelhos, inclusive com aplicativos que possam ser controlados pelos pais.

A outra recomendação é para que os aparelhos possam medir, por meio de softwares, a exposição do usuário ao som e que possam calcular o porcentual do dia diante desse risco.

“Hoje, não temos exatamente como saber se estamos ouvindo a música em um volume adequado ou não. É como dirigir um carro em uma estrada sem os ponteiros de velocidade nos carros”, disse Shelly Chadha, especialista da OMS. “O que estamos recomendando é construir um ponteiro de velocidade para esse som”, disse.

Segundo ela, são os governos que precisam estabelecer os padrões e, assim, exigir que os produtos possam seguir as recomendações.

Na Europa, alguns dos países já adotam exigências de que colocar cores nos volumes de celulares, mostrando em cores vermelhas sobre um eventual excesso. Mas isso, na avaliação da OMS, não seria suficiente.

“Dado que temos o know-how tecnológico para impedir a perda auditiva, não podemos simplesmente permitir que crianças sofram com isso ao escutar música”, disse Tedros Ghebreyesus, diretor executivo da OMS. “Eles precisam entender que, uma vez perdida a audição, ela não retorna”, alertou.

Ainda de acordo com a OMS, quanto mais alto o volume, menor é o tempo que a pessoa pode utilizar os fones de ouvido em segurança. Ao diminuir o volume, é possível continuar fazendo uso do dispositivo sem prejudicar a audição.

Um exemplo dado pela entidade é que, se o nível de som ficar abaixo dos 80 decibéis, é possível ouvir música em segurança por até 40 horas por semana. No caso de crianças, o índice cai para 75 decibéis.

Ao utilizar fones de ouvido, o ideal é que o volume seja ajustado em menos de 60% do máximo que pode ser alcançado. O equipamento deve estar ajustado e, se possível, ter cancelamento de ruído, como os fones que cobrem toda a orelha do usuário.

Fonte: http://rondoniaovivo.com/brasil-e-mundo/noticia/2019/02/14/ouvidos-audicao-de-mais-de-1-bilhao-de-jovens-esta-ameacada-alerta-oms.html

Transcrição: Jornalista Wilson Souza
Imagem: Site da fonte